Português English

Corpo de professor indígena desaparecido é identificado pelo IML no Mato Grosso do Sul

Inserido por: Administrador em 20/11/2009.
Fonte da notícia: Conselho Indigenista Missionário (CIMI)

O Instituto Médico Legal do Mato Grosso do Sul confirmou que o corpo encontrado no dia 8 de novembro é do professor Guarani Kaiowá Genivaldo Vera, que estava desaparecido desde o dia 31 de outubro. Nesta data, Genivaldo e outros 25 indígenas foram despejados da Fazenda São Luís, que integra o território tradicional do povo, no município de Paranhos, sul do estado. A causa da morte só será revelada na próxima semana. Segue desaparecido o professor Rolindo Vera, que também estava na retomada da terra tradicional Ypo´i.

 

Hoje, 20 de novembro, os pais de Genivaldo devem retirar o corpo do filho e levá-lo para a aldeia Pirajuí, onde vive a família. Além de toda a tristeza com a morte de Genivaldo, os pais do indígena seguem angustiados, pois não há qualquer informação sobre Rolindo Vera. A comunidade não tem mais esperanças de encontrar Rolindo vivo, mas exige que a polícia volte a buscar o corpo do professor. “A gente também é ser humano, como se fosse um de vocês. Não é bicho para matar e jogar o corpo em qualquer canto e não procurar mais. Ninguém procurou mais o Rolindo, como se ele fosse um bicho”, indigna-se um parente dos professores, que preferiu não se identificar por questões de segurança.

 

Os indígenas exigem que a investigação policial identifique os responsáveis pela morte de Genivaldo Vera. Eles estão tensos, pois acreditam que algumas pessoas envolvidas com o desaparecimento vivem próximas da aldeia. A investigação sobre o caso segue em sigilo. “Sigilo não pode ser sinônimo de esquecimento, de demora”, destaca o coordenador do Cimi no Mato Grosso do Sul, Egon Heck, lembrando o caso do assassinato da Guarani Kaiwá Julite Lopes, assassinada em público em janeiro de 2007, cujo inquérito - feito em sigilo - até hoje está inconcluso.

 

Terra e investigação

Genivaldo Vera tinha 21 anos e era professor de informática na aldeia Pirajuí. Ele era casado e tinha uma filha, Jessi Vera, que nasceu dia 3 novembro – 3 dias depois do desaparecimento do pai.

 

A terra reivindicada pelos professores Genivaldo e Rolindo está na área prevista para ser pesquisada pelos grupos de identificação de terras indígenas, instituídos pela Fundação Nacional do Índio (Funai) em julho de 2008.  

 

Há mais de dois anos, Funai e Ministério Público Federal assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) se comprometendo a realizar estudos para identificação de terras Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul. Este povo é o que enfrenta a pior situação entre os povos indígenas no Brasil, com altos índices de suicídio e desnutrição infantil, e constantemente vítimas de agressões de fazendeiros do estado. A comunidade de Pirajuí e das demais aldeias seguem exigindo punição para seus agressores e a demarcação de suas terras tradicionais.

 


Marcy Picanço
Cimi - Assessoria de Comunicação
(61) 2106 1650/ 9979 7059
www.cimi.org.br
www.twitter.com/CimiNacional

MS

Aty Guasu: "Temos misericórdia dos brancos e os brancos nunca tiveram de nós", afirma Guarani Kaiowá

Terra Indígena Pirakuá, tekoha que deu o início de uma longa caminhada de luta pela terra, foi o local escolhido para encontro

Povos indígenas ocupam AGU contra parecer antidemarcações de Temer

Os cerca de 90 indígenas protestam contra a alteração do Decreto 1775/1996, que regulamenta os procedimentos para demarcação de terras indígenas no Brasil

TAC das demarcações: uma década de descumprimento

Em Mato Grosso do Sul, o Ministério Público Federal (MPF) firmou, ainda em 2007, um Termo de Ajustamento de Conduta com a Fundação Nacional do Índio (Funai). Passaram 10 anos, uma década de...

Mato Grosso do Sul e a banalização da violência

As informações que chegam de Dourados (MS) é de que na última semana quatro indígenas foram mortos. As causas são distintas: atropelamento, conflito, suicídio. São difíceis de conseguir informações...

Rejeitado HC que pedia soltura de fazendeiros envolvidos em ataque a indígenas em MS

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, negou seguimento ao Habeas Corpus impetrado pela defesa de dois dos fazendeiros envolvidos em ataque a grupo indígena em Mato Grosso do Sul.

Total de Resultados: 846

Página atual: 1 de 170

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv