Português English

Marcha indígena por terra e justiça em Dourados

Inserido por: Administrador em 25/08/2011.
Fonte da notícia: Cimi Regional MS

Por Egon Heck

Madrugada. O fogo na entrada dos acampamentos começava a receber mais gente.  Era hora de se aquecer um pouco e partir para os rituais de benção e batizado dos documentos da Aty Guasu, que foram levados a Dourados, Mato Grosso do Sul, para a Marcha Indígena por Terra e Justiça e posterior entrega às autoridades. A principal avenida da cidade foi tomada pela “gente cor da terra”, os primeiros habitantes da região, que fizeram ecoar seus gritos de “queremos nossas terras”, “exigimos justiça”, “exigimos respeito e dignidade”.

 
Mais de 500 Kaiowá Guarani e Terena percorreram mais de três quilômetros da região central da cidade, na Avenida Marcelino Pires. Cantando e manifestando sua indignação e esperança, andaram alegremente pela avenida. Chamaram atenção dos comerciantes e transeuntes pelas vestimentas rituais, cocares, colares, pinturas, faixas e cartazes que carregavam. Durante a caminhada, distribuíram o folheto “Em Defesa dos Povos Indígenas de Mato Grosso do Sul”.  Ali constam os índices alarmantes de violências cometidas contra as comunidades Kaiowá Guarani, confinadas ou acampadas à beira das estradas da região.  “Não podemos aceitar calados e passivos tanta violência e impunidade. A sociedade precisa reagir a tanta infâmia e injustiça contra nossos irmãos indígenas, tratados pelo governo do estado de forma parcial e injusta”. E as chamadas nos dão a dimensão da gravidade da situação, “violência e barbárie estão às soltas no MS. A difusão do preconceito é uma das armas do latifúndio”.


Ao receberem o folheto, as reações dos cidadãos eram bem diversas. Alguns demonstravam seu tímido apoio à manifestação e outros expressavam sua contrariedade, movidos pelo preconceito secular e pela ideologia racista. A marcha prosseguiu por quase duas horas, até chegar ao prédio da Fundação Nacional do Índio (Funai), onde fizeram um rápido ritual  para trazer os bons espíritos ao local e afastar tudo que pudesse prejudicar os direitos indígenas. Na parte inferior do prédio, estava visível um grande pôster aonde o então presidente Lula e vários ministros faziam a entrega do prêmio de Direitos Humanos, dado aos povos indígenas do Mato Grosso do Sul através do Conselho da Aty Guasu. A estatueta foi levada ao centro da manifestação, para chamar atenção a esse importante reconhecimento da luta Kaiowá Guarani por seus direitos.


Mais violência sem providência


Lide Lopes, de Pyolito Kue, ligou falando de mais um covarde ataque dos pistoleiros, causando uma absurda situação de violência, destruição e pessoas feridas. Por se tratar já da terceira ação violenta que sofreram em menos de duas semanas, entendem ser essa uma obstinada decisão dos senhores do agronegócio de impedir o reconhecimento das terras tradicionais Kaiowá Guarani no Mato Grosso do Sul.


É uma absurda declaração de guerra, onde de um lado estão homens armados e decididos a atirar, expulsar e destruir, enquanto do outro está uma centena de homens, mulheres e crianças armados apenas de seu direito de retornar a um pedaço da terra da qual foram expulsos há poucas décadas. Os Kaiowá Guarani estão sendo alvo de uma ignominiosa ação violenta, enquanto o Estado brasileiro se mostra inoperante diante de tais fatos. Será que serão necessários novos massacres para que se tome providências?


Certamente não é por desconhecimento da gravidade da situação que a Polícia Federal não está se fazendo presente no local. E quando se fez presente (PF de Naviraí) foi acompanhada dos algozes dos índios, para dizer, como noticiou a imprensa, que não existem índios no local.


Até quando grassará a violência e a impunidade contra os povos indígenas Kaiowá Guarani no Mato Grosso dos Sul?

Galeria de Vídeos

Manifestação Indígena em Dourados

MS

TRF3 rejeita tentativa de intimidação da atuação do MPF

O TRF3 negou, em 30 de outubro, recurso ajuizado pelo Sindicato Rural de Ponta Porã (MS), em ação de indenização contra o procurador da República Marco Antonio Delfino de Almeida, membro do MPF/MS

A relação dos Kaiowá com a morte e a terra em meio à violência extrema do MS

Como os Kaiowá e Guarani se relacionam com a morte e a com a terra no contexto de extrema violência do Mato Grosso do Sul? Essa é a pergunta que Bruno Martins Morais tenta respondem no livro Do corpo...

Por quatro anos consecutivos, povo Kinikinau exige demarcação de território

Em documento divulgado após 4ª Assembleia Ipuxowoku Hou Koinukonoe, lideranças do povo Kinikinau exigem criação de Grupo de Trabalho para demarcação de seu território.

População indígena do Mato Grosso do Sul é a terceira mais contaminada por agrotóxicos no país

Com apenas 18 dias de nascido, o bebê Norisleo Paim Mendes e sua mãe, Maria Joana Paim, do povo Guarani Kaiowá, foram contaminados por agrotóxico pulverizado na aldeia Tey’ijusu pelo tratorista de...

Cassadas liminares que suspendiam homologação de parte da Terra Indígena Arroio Korá

No dia 21 de dezembro de 2009, Arroio Korá foi homologada com sete mil hectares. Desrespeitando o recesso do STF, o ministro Gilmar Mendes, oito dias depois, embargou 184 hectares

Total de Resultados: 841

Página atual: 1 de 169

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv