Português English

Informe nº 1043: Prazo para início da desocupação dos invasores de Marãiwatsédé termina hoje

Inserido por: Administrador em 06/12/2012.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação- Cimi

Acaba hoje (6) de dezembro prazo para início da desintrusão dos não-índios da Terra Indígena (TI) Marãiwatsédé, dos Xavante, localizada nos municípios de Alta Boa Vista e São Félix do Araguaia, estado do Mato Grosso . O prazo foi interposto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para que os ocupantes ilegais deixem a terra no dia (18) de outubro, pelo então à época o presidente STF, o ministro Carlos Ayres Britto.

 

Ocupantes ilegais bloquearam ontem a BR-158, na região de Posto da Mata, em MT, contra a ordem de despejo, a saída dos fazendeiros e posseiros que ocupam a área indígena deveria ter acontecido até o fim do mês de setembro. Desde a suspensão da liminar do Tribunal Regional Federal da 1ª Região em Brasília (TRF-1) que impedia a retirada dos invasores, pelo Supremo STF, o clima é de tensão na TI.

Um indígena Xavante foi perseguido no dia 3 de novembro, na cidade de Água Boa foi abordado por um não indígena que perguntou se ele era filho do cacique Damião, o que ele, com medo, negou. Logo após foi perseguido por dois carros com pessoas que reconheceu serem do núcleo da invasão no território indígena Marãiwatsédé e capotou o veículo, sofrendo algumas escoriações.

 

 

Histórico

 

Marãiwatsédé começou a ser invadida durante a década de 1950, mas apenas na década seguinte foi adquirida irregularmente pela agropecuária Suiá-Missu. Os indígenas acabaram sofrendo uma migração forçada, espécie de diáspora, para a Missão Salesiana de São Marcos, 400 km longe de Marãiwatsédé, onde houve epidemia de sarampo. Cerca de 150 indígenas morreram. No ano de 1980, a terra foi vendida para a empresa petrolífera italiana Agip.

 

Durante a Conferência de Meio Ambiente realizada no início da década de 1990 no Rio de Janeiro, a Eco 92, aAgip anunciou, sob pressão, que devolveria Marãiwatséde aos Xavante. O cacique Damião Paridzane chegou a visitar a empresa petrolífera na Itália para garantir a devolução da terra.

 

Apesar disso, até hoje essa devolução não foi completa. A terra foi homologada pelo Executivo em 1998 e mesmo com o reconhecimento, os indígenas sofrem grandes pressões de latifundiários e do poder político local para que Marãiwatsédé permaneça nas mãos dos fazendeiros. Atualmente, quase a totalidade da área ainda está sob o domínio dos invasores, que a utilizam para gado e plantações de soja e arroz. Dos 185 mil hectares homologados e registrados pela União, apenas 20 mil estão ocupados pelos indígenas.

 

Marãiwatsédé não podia ser vendida, permutada, trocada, cedida, doada ou transferida. Ainda assim, a Assembleia Legislativa do Mato Grosso aprovou, no primeiro semestre deste ano, lei autorizando a permuta da terra indígena com o Parque Estadual do Araguaia - mesmo sem o consentimento e a vontade dos indígenas.

 

“Nós, Xavante, sempre fomos marginalizados. Para a gente essa decisão é importante, representa uma vitória porque a terra tinha que ser livre. Os Xavante não encontram mais coletas em suas próprias terras”, conta o cacique Damião Padridzane, que era um garoto quando em 1966 partiu num avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para longe de sua terra. O caminho de volta, agora, está mais perto de se completar.

 

Áudio

Potyrõ 799: Aliança contra decreto de extermínio marca abertura do Congresso dos 40 anos do Cimi


Potyrõ 799: Aliança contra decreto de extermínio marca abertura do Congresso dos 40 anos do Cimi

Galeria de imagens

Galeria de Vídeos

A luta por Marãiwatsédé, pelos Xavante

Português

Boletim Mundo: Morosidade, paralisação, redução de Terras Indígenas... Está na hora de um ponto final

Ao mesmo tempo em que agia com lentidão relativamente à implementação do direito dos povos às suas terras, o governo inflacionou os financiamentos subsidiados e incentivos aos setores político...

Boletim Mundo: Omissão do governo é a maior causa da violência contra os indígenas no Brasil

Um dos mais explícitos indícios da omissão governamental foi a total paralisação das demarcações de terras indígenas em 2013. Faça o download do 'Relatório de Violência Contra os Povos Indígenas do...

Boletim Mundo: Relatório da PF apontou ação de fazendeiros armados contra o povo Xakriabá de Cocos, mas nenhuma medida foi tomada

MILÍCIAS ANTI-INDÍGENAS? Interesses ligados ao agronegócio e à construção de barragens estão por trás da ofensiva de fazendeiros e capangas contra os indígenas. A demarcação segue paralisada.

Boletim Mundo: Ka’apor fecham BR-316 pela expulsão de madeireiros das terras indígenas no Maranhão

O grupo ocupa a rodovia desde a manhã desta quinta-feira. Os indígenas sofrem com ameaças e frequentes ataques de grupos de madeireiros

Boletim Mundo: Indígenas de Apyka’i podem ser despejados para BR-463, onde oito já morreram

No MS, famílias Guarani-Kaiowá do Tekohá Apyka’i vivem momentos de tensão pelo iminente risco de despejo, que se ocorrer os forçará a voltar a viver nas margens da BR-463

Total de Resultados: 110

Página atual: 1 de 22

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv