Português English

Informe nº 1051: Indígenas ficam expostos a acidentes por atropelamento

Inserido por: Administrador em 08/02/2013.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação-Cimi

Por Luana Luizy,

de Brasília

Estradas e rodovias próximas a aldeias, reservas e acampamentos indígenas contribuem para o aumento de casos de atropelamentos e mortes. No dia 9 de janeiro, uma menina de nove anos de idade foi atropelada na BR-277, no município de Nova Laranjeiras, estado do Paraná. A rodovia federal corta a aldeia indígena Rio das Cobras onde vive majoritariamente o povo Kaingang, mas também Guarani.

 

O motorista do veículo fugiu sem prestar socorro e está foragido. Segundo a Polícia Rodoviária Federal do estado, em 2012 foram nove casos de atropelamentos no Paraná, destes seis resultaram em morte. Fato que tem se tornado recorrente. Levantamento preliminar do Cimi indica a ocorrência de outros sete casos em 2012, nos estados do Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. Em seis destes casos, os agressores fugiram do local sem prestar socorro.

 

O Cimi revelou no Relatório de Violência Contra os Povos Indígenas de 2011, 12 casos de mortes por atropelamento em todo país. “Chama a atenção o elevado número de ocorrências no estado do Paraná, com quatro casos registrados em 2011″, destaca o texto. Já em 2010, a situação foi ainda pior. Nesta mesma rodovia onde a menina indígena foi atropelada, a Polícia Rodoviária Federal, contabilizou 82 atropelamentos, sendo que 41 destas ocorrências causaram a morte de indígenas.

 

No dia 7 de fevereiro, no município de Tenente Portela, em Rio Grande do Sul outra indígena morreu atropelada por motocicleta, Jurema Sales era Kaingang e sofreu ferimentos graves na perna e braço. “Às vezes os indígenas precisam atravessar a estrada seja para ir ao outro lado da aldeia, visitar um parente, vender artesanato ou qualquer outra coisa. Essas mortes são consequência das grandes obras, tais como estradas ou hidrelétricas que acabam prejudicando a existência desses povos. O que o governo deveria fazer agora em regiões de intenso tráfego como a BR-277 é construir lombadas ou passarelas, alternativas que não faltam”, aponta Jacson Santana, do Conselho Indigenista Missionário - Regional Sul.

 

Nos estados do Sul do Brasil (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) há populações indígenas que vivem em beira de rodovias há pelo menos 10 anos, sem que haja alguma modificação, por parte dos estados, da forma de vida desses povos. Muitos aguardam demarcação de suas terras, outros vendem artesanato como meio de sobrevivência na beira das estradas.

 

 

Áudio

Potyrõ 809: Grande Assembleia Munduruku mobiliza indígenas no Pará, e Três comunidades Guarani-Kaiowá estão sob ameaças


Potyrõ 809: Grande Assembleia Munduruku mobiliza indígenas no Pará, e Três comunidades Guarani-Kaiowá estão sob ameaças

Galeria de Vídeos

Munduruku denuncia ataque a aldeia Teles Pires

Português

Boletim Mundo: Morosidade, paralisação, redução de Terras Indígenas... Está na hora de um ponto final

Ao mesmo tempo em que agia com lentidão relativamente à implementação do direito dos povos às suas terras, o governo inflacionou os financiamentos subsidiados e incentivos aos setores político...

Boletim Mundo: Omissão do governo é a maior causa da violência contra os indígenas no Brasil

Um dos mais explícitos indícios da omissão governamental foi a total paralisação das demarcações de terras indígenas em 2013. Faça o download do 'Relatório de Violência Contra os Povos Indígenas do...

Boletim Mundo: Relatório da PF apontou ação de fazendeiros armados contra o povo Xakriabá de Cocos, mas nenhuma medida foi tomada

MILÍCIAS ANTI-INDÍGENAS? Interesses ligados ao agronegócio e à construção de barragens estão por trás da ofensiva de fazendeiros e capangas contra os indígenas. A demarcação segue paralisada.

Boletim Mundo: Ka’apor fecham BR-316 pela expulsão de madeireiros das terras indígenas no Maranhão

O grupo ocupa a rodovia desde a manhã desta quinta-feira. Os indígenas sofrem com ameaças e frequentes ataques de grupos de madeireiros

Boletim Mundo: Indígenas de Apyka’i podem ser despejados para BR-463, onde oito já morreram

No MS, famílias Guarani-Kaiowá do Tekohá Apyka’i vivem momentos de tensão pelo iminente risco de despejo, que se ocorrer os forçará a voltar a viver nas margens da BR-463

Total de Resultados: 110

Página atual: 1 de 22

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv