Português English

Morre Dona Emília, matriarca do povo Puruborá (RO)

Inserido por: Administrador em 05/04/2013.
Fonte da notícia: Cimi Regional Rondônia

Dona Emilia, matriarca do povo Puruborá. Foto: Cimi Regional RondôniaMorreu nesta quinta-feira, 4, às 17 horas, Dona Emília Nunes de Oliveira Puruborá, com 80 anos. Nascida em 1933 na aldeia Puruborá, às margens do rio Manuel Correia, hoje município de Seringueira, Rondônia, era a matriarca do povo Puruborá.

  

Dona Emília teve 17 filhos e criou 10 deles, entre eles Hosana Puruborá, importante liderança do povo, vivendo no Rio Manuel Correia com muito esforço e luta. Dona Emília sofreu com as discriminações do Serviço de Proteção do Índio e depois da própria Fundação Nacional do Índio (Funai), que dava como extinto o povo Puruborá. Em meados da década de 90 foi expulsa de sua própria terra pela Funai.

 

Sem moradia, o esposo de Dona Emília queria migrar para Guajará Mirim. Ela afirmou: “Você pode ir, porém, eu e minha família ficaremos aqui”. Vendendo seus bens, conseguiu comprar um lote dentro do próprio território tradicional do povo Puruborá, às margens da BR-429, próximo ao rio Manuel Correia. 

 

Marechal Rondon contatou o Povo Puruborá em 1919, no rio Manuel Correia, afluente do rio São Miguel, onde fez a demarcação da terra. Em 1925, Bejamim Rondon, filho do Marechal, reabriu a demarcação.

No final do ano 2000, o Cimi Regional Rondônia encontrou a família de Dona Emilia Puruborá, que contou sua história e pediu ajuda para recuperar a terra tradicional. Com informações dela outras família foram localizadas.

 

O esforço de Dona Emília para ver a terra demarcada era grande. Em 2001 foi realizada a primeira Assembleia do Povo Puruborá – na casa da própria matriarca. A professora Ruth Montserrat participou do encontro e conseguiu levantar um acervo de 200 palavras Puruborá. Lembrando a cultura, os ancestrais, pajés e identificado o território tradicional o povo Puruborá mostrou estar disposto a lutar por suas terras imemoriais.

 

Dona Emilia foi a grande motivadora e incentivadora da luta pela retomada do território, com sua forma silenciosa sempre esteve presente. Sua casa deixou de ser espaço individual, transformando-se num símbolo de luta e resistência, chamada de Aldeia Aperoy. Este lar é o espaço do reagrupamento do povo que tanto sofreu com a discriminação, falta de terra. Tornou-se o lugar de estar juntos, voltar a falar a língua e produzir e reproduzir a cultura.

 

Em 2001 eram 11 os sábios anciãos desse grupo que restaram do massacre. Com suas vozes mansas, mas firmes, estão conduzindo o povo com sabedoria e perseverança para a reconquista das terras e a volta do Bem Viver Puruborá. A morte de Dona Emília representa a de mais uma anciã que não conseguiu ver o seu território demarcado e regularizado conforme o sonho e desejo. Por isso, Dona Emilia será enterrada na Aldeia Aperoy, espaço do território tradicional ainda não demarcado.

 

Dona Emília, teu povo e teus aliados continuarão a luta pela regularização do território tradicional, porque teu espírito unido a teus antepassados marcarão a vitória do povo resistente neste lugar sagrado. Dona Emília, que a terra sagrada que te viu nascer, crescer e lutar por ela também acolha teu corpo.

 

TERRA É VIDA, E VIDA EM PLENITUDE.

Áudio

Potyrõ 811: Construtora descumpre condicionantes socioambientais e Ibama não pune; e Pistoleiros rondam e atacam comunidades Guarani-Kaiowá


Potyrõ 811: Construtora descumpre condicionantes socioambientais e Ibama não pune; e Pistoleiros rondam e atacam comunidades Guarani-Kaiowá

Galeria de Vídeos

Cimi - A serviço da vida dos povos indígenas

RO

Nota Cimi Rondônia: A omissão do Estado incentiva o esbulho possessório.

O processo colonizatório em Rondônia continua de forma brutal com o avanço agressivo da exploração madeireira e grilagem das terras públicas.

Povo Karipuna vive iminência de genocídio em Rondônia

“Eu acho que se pode falar em uma pretensão de genocídio do povo karipuna, com o objetivo de invadir a TI, tirar os índios e ocupar a área", afirma procurador do MPF, Daniel Azevedo Lobo

Preocupados com invasões, povos indígenas de Rondônia reforçam luta contra marco temporal

Enfrentando invasões, ameaças e loteamentos dentro de terras indígenas, povos indígenas do estado de Rondônia preocupam-se com legalização de invasões pelo marco temporal

CNBB Noroeste cobra providências do Estado Brasileiro diante invasões de terras indígenas por madeireiros e grileiros

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) Regional Noroeste divulgou uma nota onde cobra providências do Estado Brasileiro referente as invasões de Terras Indígenas na região do estado de...

Rádio Vaticano: Cimi denuncia "completa impunidade" em Rondônia

Invasões, impunidade e conivência: estas são as palavras quando estão em jogo terras indígenas. E esta é a denúncia que o Conselho Indigenista Missionário (CIMI) publicada na Rádio Vaticano.

Total de Resultados: 116

Página atual: 1 de 24

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv