Português English

Indígenas Gamela sofrem ataque a tiros em retomada

Inserido por: Administrador em 03/12/2015.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação do Cimi

Na noite de ontem (02/12), indígenas Gamela sofreram um atentado a tiros em uma área tradicional retomada no Maranhão. Segundo relato de indígenas que estavam no local, homens em uma caminhonete dispararam vários tiros contra o acampamento da retomada. Ninguém foi atingido, mas o clima entre os indígenas é de tensão e insegurança.

Entre segunda e terça-feira, os indígenas do povo Gamela retomaram duas fazendas que incidem sobre seu território tradicional no Maranhão, e as quais são denunciadas por eles como terras griladas. Desde então, os indígenas vem sofrendo diversas ameaças dos fazendeiros dessas áreas. Na terça à noite, quatro carros estranhos começaram a rondar o acampamento da retomada.

Na noite de quarta-feira (02/12), por volta de 22h da noite, uma das caminhonetes que rondava o acampamento indígena parou junto à porteira de uma fazenda vizinha. Homens desceram dela e começaram a atirar contra os indígenas. Segundo uma liderança Gamela, não identificada por questões de segurança, os indígenas, entre adultos e crianças, correram para se esconder atrás de uma pequena área com mato, enquanto os homens seguiam atirando.

Segundo a liderança ouvida pela reportagem, os Gamela na área retomada já temiam que um ataque fosse acontecer, em função das ameaças feitas pelos fazendeiros e da presença dos carros estranhos rondando a região. Indígenas Gamela que não estão participando diretamente da retomada também têm recebido ameaças em suas casas, e três carros estranhos continuam rondando o acampamento.

Hoje pela tarde, indígenas registraram dois Boletins de Ocorrência na delegacia do município de Viana, referentes às ameaças e ao atentado sofrido. Os Gamela conseguiram registrar a placa do veículo em que estavam os homens que efetuaram os disparos e descobriram que se tratava, na verdade, de uma placa clonada.

Também hoje à tarde, ocorreu uma reunião ampla que contou com a presença das Secretarias de Direitos Humanos e Participação Popular, de Meio Ambiente e de Segurança Pública do estado do Maranhão, da Fundação Nacional do Índio (Funai), do Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) e de diversos movimentos sociais apoiadores dos Gamela, além dos próprios indígenas.

Na reunião, a Secretaria de Direitos Humanos reconheceu o indiscutível direito à terra dos Gamela, e a Secretaria de Segurança Pública comprometeu-se a investigar a questão dos carros com placas clonadas e a garantir uma ronda policial constante na área para evitar novos ataques contra os indígenas.

No próximo sábado, uma comitiva deve ir à área retomada para acompanhar a situação e prestar apoio e solidariedade aos Gamela.

Atualmente, mais de 700 famílias do povo Gamela vivem numa área de apenas 530 hectares, sem espaço para praticar agricultura e, ainda, sofrendo com a grilagem e a destruição de árvores e plantas importantes para sua sobrevivência, como é o caso dos açaizais, utilizados para alimentação, e dos guarimãs, cuja palha é utilizada para confecção de artesanatos. Segundo os indígenas, a destruição destas culturas ocorre também de forma criminosa, com a intenção de retirar sua autonomia e seus meios de sobrevivência.

As fazendas retomadas somam cerca de 300 hectares e fazem parte do território tradicional reivindicado pelos indígenas, o qual totaliza aproximadamente 14 mil hectares. Os indígenas reivindicam a demarcação do território que já lhes havia sido cedido pelo Estado em 1759, ainda no período colonial do Brasil. O processo demarcatório ainda não foi aberto pela Funai.

Para saber mais sobre a situação recente do povo Gamela e as duas retomadas de terras tradicionais ocorridas esta semana, clique aqui e aqui.

foto: Rosimeire Diniz, Cimi Regional MA

MA

Uma cerca a menos, um dia a mais: de pé, o povo Gamela luta pelo chão sagrado e pela existência

Há anos um invasor aprisionou um pequizeiro e um bacurizeiro centenários, com cerca de arame farpado. Ambos guardam em seus galhos e frutos parte de nossa memória

Madeireiros invadem floresta no Maranhão e intimidam indígenas Gavião

Na segunda-feira 6, um casal do povo foi atropelado e morto por um caminhão madeireiro. Leia o relato do antropólogo Maycon Melo sobre o caso

Guarda Florestal Pykopjê-Gavião identifica ramal madeireiro e povo faz denuncia às autoridades

Em denúncia protocolada junto ao MPF, as lideranças do povo alegam que a depredação ambiental é realizada numa espécie de consórcio entre fazendeiros, madeireiros e donos de carvoarias

Conselho de Gestão Ka'apor se pronuncia às autoridades públicas sobre situação na TI Alto Turiaçu

"No nosso acordo de convivência concordamos que temos que afirmar nossa cultura, os idosos devem passar nossa história para as crianças, não devemos nos dividir nem brigar"

Povo Ka'apor enfrenta madeireiros, Funai e criminalizações em defesa da TI Alto Turiaçu

Entre 2013 e 2016, a Guarda Florestal organizada pelos Ka'apor fechou 14 ramais madeireiros no interior da Terra Indígena Alto Turiaçu (MA)

Total de Resultados: 211

Página atual: 1 de 43

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv