Português English

Indígenas Gamela sofrem ataque a tiros em retomada

Inserido por: Administrador em 03/12/2015.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação do Cimi

Na noite de ontem (02/12), indígenas Gamela sofreram um atentado a tiros em uma área tradicional retomada no Maranhão. Segundo relato de indígenas que estavam no local, homens em uma caminhonete dispararam vários tiros contra o acampamento da retomada. Ninguém foi atingido, mas o clima entre os indígenas é de tensão e insegurança.

Entre segunda e terça-feira, os indígenas do povo Gamela retomaram duas fazendas que incidem sobre seu território tradicional no Maranhão, e as quais são denunciadas por eles como terras griladas. Desde então, os indígenas vem sofrendo diversas ameaças dos fazendeiros dessas áreas. Na terça à noite, quatro carros estranhos começaram a rondar o acampamento da retomada.

Na noite de quarta-feira (02/12), por volta de 22h da noite, uma das caminhonetes que rondava o acampamento indígena parou junto à porteira de uma fazenda vizinha. Homens desceram dela e começaram a atirar contra os indígenas. Segundo uma liderança Gamela, não identificada por questões de segurança, os indígenas, entre adultos e crianças, correram para se esconder atrás de uma pequena área com mato, enquanto os homens seguiam atirando.

Segundo a liderança ouvida pela reportagem, os Gamela na área retomada já temiam que um ataque fosse acontecer, em função das ameaças feitas pelos fazendeiros e da presença dos carros estranhos rondando a região. Indígenas Gamela que não estão participando diretamente da retomada também têm recebido ameaças em suas casas, e três carros estranhos continuam rondando o acampamento.

Hoje pela tarde, indígenas registraram dois Boletins de Ocorrência na delegacia do município de Viana, referentes às ameaças e ao atentado sofrido. Os Gamela conseguiram registrar a placa do veículo em que estavam os homens que efetuaram os disparos e descobriram que se tratava, na verdade, de uma placa clonada.

Também hoje à tarde, ocorreu uma reunião ampla que contou com a presença das Secretarias de Direitos Humanos e Participação Popular, de Meio Ambiente e de Segurança Pública do estado do Maranhão, da Fundação Nacional do Índio (Funai), do Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) e de diversos movimentos sociais apoiadores dos Gamela, além dos próprios indígenas.

Na reunião, a Secretaria de Direitos Humanos reconheceu o indiscutível direito à terra dos Gamela, e a Secretaria de Segurança Pública comprometeu-se a investigar a questão dos carros com placas clonadas e a garantir uma ronda policial constante na área para evitar novos ataques contra os indígenas.

No próximo sábado, uma comitiva deve ir à área retomada para acompanhar a situação e prestar apoio e solidariedade aos Gamela.

Atualmente, mais de 700 famílias do povo Gamela vivem numa área de apenas 530 hectares, sem espaço para praticar agricultura e, ainda, sofrendo com a grilagem e a destruição de árvores e plantas importantes para sua sobrevivência, como é o caso dos açaizais, utilizados para alimentação, e dos guarimãs, cuja palha é utilizada para confecção de artesanatos. Segundo os indígenas, a destruição destas culturas ocorre também de forma criminosa, com a intenção de retirar sua autonomia e seus meios de sobrevivência.

As fazendas retomadas somam cerca de 300 hectares e fazem parte do território tradicional reivindicado pelos indígenas, o qual totaliza aproximadamente 14 mil hectares. Os indígenas reivindicam a demarcação do território que já lhes havia sido cedido pelo Estado em 1759, ainda no período colonial do Brasil. O processo demarcatório ainda não foi aberto pela Funai.

Para saber mais sobre a situação recente do povo Gamela e as duas retomadas de terras tradicionais ocorridas esta semana, clique aqui e aqui.

foto: Rosimeire Diniz, Cimi Regional MA

MA

Em nota, povo Gamela denuncia plano de fazendeiros para matar lideranças indígenas

"Segundo o mesmo a solução seria matar “uns quatro cabeças”. Nessa conversa, segundo ele, um irmão de Benito Coelho Filho teria dito explicitamente que deveriam matar o padre logo", diz trecho da nota...

Criança Guajajara morre e outra tem 60% do corpo queimado em incêndio na Terra Indígena Bacurizinho

O PrevFogo, do Ibama, extinguiu a brigada de combate a incêndios da T.I Bacurizinho em meados de fevereiro deste ano. Os Guajajara treinados estão como colaboradores combatendo o fogo na T.I Arariboia

Justiça Estadual ordena despejo de aldeia Gamela, fala em direito de conquista e questiona identidade do povo

Povo Gamela e advogados questionam competência do juiz para decidir sob litígio de terra reivindicada por indígenas e os argumentos usados pelo magistrado

Brigadistas Guajajara avistam na T.I Arariboia indígenas Awá isolados combatendo incêndio

"Estamos levando água para eles. Nessa época do ano os igarapés estão secos, o que é normal, mas dificulta ainda mais com esse incêndio”

Guardas florestais Ka'apor sofrem emboscada e mais um ramal madeireiro é descoberto na T.I Alto Turiaçu

Eusébio Ka’apor foi assassinado na mesma região desta emboscada. Pistoleiros e madeireiros abordam indígenase os obrigam a dizer onde estão as liderança do Conselho Ka’apor e guardas florestais

Total de Resultados: 222

Página atual: 6 de 45

Início Anterior 1234567891011 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv