Português English

Com novo governo, indígenas estão perdendo direitos para elite econômica e política, afirma relatora da ONU

Inserido por: Administrador em 24/10/2016.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação - Cimi


Foto: Ruy Sposati/Cimi-MS



Por Ruy Sposati, da Assessoria de Comunicação - Cimi/MS


A relatora especial sobre os direitos dos povos indígenas da Organização das Nações Unidas (ONU), Victoria Tauli-Corpuz, apresentou aos membros da Assembleia Geral das Organização das Nações Unidas (ONU) suas recomendações para a garantir os direitos humanos das populações originárias no Brasil, além de Honduras e de países nórdicos. Ainda, somente este ano, a especialista enviou mais de 50 comunicados para mais de trinta países, cobrando governos sobre violações de direitos econômicos, sociais, culturais, civis e políticos de indígenas por todo o mundo.


Esta foi a primeira participação de Tauli-Corpuz no principal órgão da ONU depois da visita oficial ao Brasil. Em março de 2016, a indígena Tauli-Corpuz esteve no país, visitando aldeias e acampamentos indígenas no Pará, Mato Grosso do Sul e Bahia, além de ter se reunido com representantes dos três poderes da República e organizações ligadas ao agronegócio.


Leia a análise completa das recomendações da relatora especial


"Me dá muito desgosto saber que, desde minha última visita, as mortes e os despejos violentos contra os Kaiowa e Guarani no Mato Grosso do Sul - local onde visitei algumas aldeias - continuaram acontecendo", comentou aos representantes dos estados-membros na Assembleia Geral, no último dia 17.


Para ela, as mudanças na conjuntura política do país "consolidaram ainda mais os interesses e o poder da elite econômica e política, em detrimento dos direitos dos povos indígenas", referindo-se à queda de Dilma Rousseff pela manobra parlamentar que levou ao impeachment da presidente, em agosto deste ano.


A relatora saudou o cancelamento do processo de licenciamento da hidrelétrica de São Luiz do Tapajós, no Pará, fruto dos esforços de oposição dos Munduruku e outras populações indígenas e tradicionais que vivem naquele território, e a homologação da terra indígena Cachoeira Seca, do povo Arara, na região atingida pela construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte, no Pará - lamentando, no entanto, a não-implementação das demais condicionantes estabelecidas às populaçòes indígenas relacionadas à usina.


Em setembro, a Tauli-Corpuz apresentou o documento na 33ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, colocando o Brasil em uma saia justa ao afirmar que, desde a visita anterior da relatoria em 2008, não houve avanços na implementação das recomendações estabelecidas pelo organismo ao governo brasileiro. No mesmo período, lideranças Guarani-Kaiowa visitaram uma série de países europeus pedindo o compromisso internacional de pressionar o Brasil a cumprir as recomendações presentes no relatório.


Sápmi e Honduras


Além do Brasil, a relatora visitou a Finlândia, Noruega e Suécia, onde está localizado parte do território tradicional dos indígenas Sápmi, em agosto de 2015. Endereçando as denúncias daquelas populações, ela afirmou que "o aumento da mineração e o desenvolvimento de projetos de energia renovável eram as principais ameaças aos direitos do povo Sápmi".


Tauli-Corpuz esteve também em Honduras em novembro de 2015, meses antes do assassinato de Berta Cáceres - indígena Lencam coordenadora do Consejo de los Pueblos Indígenas de Honduras (COPINH) - por sua oposição à construção da hidrelétrica Agua Zarca. Para a relatora, a impunidade e o não-reconhecimento dos direitos indígenas à terra e aos recursos naturais são os principais responsáveis pelo aumento da violência contra os povos tradicionais em Honduras. "Eu peço que o Estado responsabilize os autores do crime. É preciso quebrar o ciclo vicioso de impunidade em Honduras", finalizou.


No próximo ano, Tauli-Corpuz visitará Austrália, Guatemala e possivelmente, Chile e Camarões.

MS

STF determina volta à prisão de fazendeiros envolvidos em ataque a indígenas no Mato Grosso do Sul

A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a prisão preventiva de cinco fazendeiros acusados de envolvimento em um ataque a indígenas no Mato Grosso do Sul, em junho do ano passado.

Kuñangue Aty Guasu: encontro de rezas, forças e sonhos para o presente e futuro

Assembleia das mulheres Guarani e Kaiowá ocorreu entre 18 e 22 de setembro. Enquanto houver o som do Mbaraca e do Takuapu, vai ter luta

MPF requisita investigação sobre ameaça a lideranças indígenas da aldeia Sucury'i, em Maracaju (MS)

Ameaças teriam se intensificado após manifestações dos índios e bloqueio de rodovia

Indígenas Kadiwéu retomam fazenda incidente em território concedido ao povo no Segundo Reinado, em 1864

Há uma semana 120 indígenas Kadiwéu retomaram parte do território destinado ao povo em 1900 e homologado em 1984. O povo reivindica uma fazenda localizada em Porto Murtinho, pantanal do Mato Grosso do...

Jornalista é condenado por dano moral coletivo após ofensa aos Guarani-Kaiowá

A Justiça Federal considerou que o comunicador extrapolou a liberdade de expressão ao veicular conteúdo ofensivo e pejorativo contra os índios Guarani-Kaiowá em artigo publicado no webjornal O Tempo,...

Total de Resultados: 836

Página atual: 1 de 168

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv