Português English

Conselho de Gestão Ka'apor se pronuncia às autoridades públicas sobre situação na TI Alto Turiaçu

Inserido por: Administrador em 27/01/2017.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação - Cimi; Conselho de Gestão Ka'apor



Em virtude dos últimos episódios de criminalização contra os Ka'apor e seus aliados na construção do Projeto de Vida das 17 aldeias da Terra Indígena Alto Turiaçu, no Maranhão, o Conselho de Gestão do povo se posiciona às autoridades brasileiras pedindo um fim aos processos judiciais que visam impedir a consentida atuação de indigenistas no território tradicional, e respeito à organização autônoma e diferenciada da comunidade indígena.


"Foi a FUNAI que sempre esteve ausente do nosso território e agora não quer respeitar nossa forma própria de organização, quer nos dividir, além de ser ciente da intrusão de madeireiros e não fazer nada", diz trecho do pronunciamento. Mais de uma dezena de organizações declararam apoio ao povo e seus aliados.


Leia na íntegra:


Nota do Conselho de Gestão Ka’apor: "Não devemos negociar nosso espaço, nossa mata"


Nós, povo Ka’apor, informamos a todos que perante a nossa assembleia realizada em dezembro de 2013 foi criado Conselho de Gestão Ka´apor, o Conselho das Aldeias e nosso Acordo de Convivência porque a forma de organização de cacicado que havia antes não era própria e nem atendia as necessidades do povo. Por isso criamos o Conselho que é próprio do nosso povo e é pra ser reconhecido e respeitado pelos órgãos públicos. Nosso grupo de lideranças que representam nosso Conselho são pessoas guerreiras, guardam nossos costumes, nossa cultura original, trabalham para nosso povo servindo e protegendo nossa cultura e o nosso território.


No nosso acordo de convivência concordamos que temos que afirmar nossa cultura, os idosos devem passar nossa história para as crianças, evitar a bebida do branco, não devemos nos dividir nem brigar uns com os outros, não negociar nosso espaço e nossa mata.


Estamos sem atendimento de saúde nas nossas comunidades desde que saiu a proibição de Simone, Eloi e Maria Raimunda de entrar no Pólo de Saúde de Zé Doca. Queremos saber como vai ficar o nosso atendimento, pois não queremos a equipe daquelas pessoas que nós mesmos afastamos daqui por não respeitarem a nossa decisão e ser negligente no atendimento.  


Nós do Conselho, reafirmamos nosso compromisso de lutar pelas nossas conquistas, pela nossa autonomia, nossa própria forma de organização. José Mendes de Andrade é uma pessoa que contribuiu para esse trabalho de uma educação diferenciada de jovens e adultos que muito melhorou nossa organização, nossa vida, e ele não é o responsável pelos conflitos ou algum crime de que está sendo acusado.

Foi a FUNAI que sempre esteve ausente do nosso território e agora não quer respeitar nossa forma própria de organização, quer nos dividir, além de ser ciente da intrusão de madeireiros e não fazer nada. E por conta desse momento de criminalização que nossos aliados estão enfrentando e que atinge a nós, os madeireiros estão retornando para a quadra 40 e 45, no município de Centro do Guilherme, além de regiões de Zé Doca, com isso tem retornado para as aldeias as bebidas de branco e o assédio para nós liberarmos a venda de madeira. Somos contra essa prática e continuaremos juntos e firmes para manter nosso Projeto de Vida.


Terra Indígena Alto Turiaçu, 27 de janeiro de 2017


CONSELHO DE GESTÃO KA’APOR



Itahu Ka’apor – Aldeia Xeborenda

Iratowy Ka’apor – Aldeia Zé Gurupi

José Jandiaxi Ka’apor – Aldeia Zé Gurupi

Sarapó Ka’apor – Aldeia Ywyã hu renda

Hira Ka’apor – Aldeia Piquizeiro

Mariulza Ka’apor – Jumue ha renda Keruhu/Gurupiúna

Osmar Ka’apor – Aldeia Jumueha Renda Keruhu/Gurupiúna


MA

VII Encontrão da TEIA dos Povos e Comunidades Tradicionais do Maranhão tem início no quilombo Cocalinho

Nesta edição, espera-se cerca de 700 pessoas de povos e comunidades tradicionais de todo o estado para discutir o tema "Nosso território sagrado: bem viver, memória, luta e esperança”. Foto: Ingrid...

VÍDEO | Os gamella, um povo em busca de sua identidade

Grupo no Maranhão luta para ser reconhecido como indígena e ter as terras de seus ancestrais demarcadas

Povos mobilizados na Funai de São Luís (MA) repudiam postura da coordenadora-substituta regional do órgão

Nota Pública - "Sentimos na pele o peso do racismo e preconceito de instituições"

Ocupação Krepym e Krenyê à Unidade Regional de Educação: Governo do Maranhão segue sem ouvir os povos

Indígenas dos povos Krepym Katejê e Krenyê realizam a ocupação desde o dia 9

Povos Akroá-Gamella, Tremembé e Krenyê entram na 3ª semana de ocupação na Funai, em São Luís (MA)

Os povos reivindicam demandas ainda não contempladas - ou pelo menos não atendidas integralmente. A situação mais emblemática envolve o Núcleo de Direitos Sociais e Cidadania

Total de Resultados: 241

Página atual: 1 de 49

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv