Português English

JBS: delações apontam R$ 31 milhões para 99 deputados ruralistas

Inserido por: Administrador em 01/06/2017.
Fonte da notícia: De Olho nos Ruralistas


Segundo os delatores, a maior parte das doações feitas a políticos e declarada ao TSE era propina. Foto: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados

Por Alceu Castilho

Pelo menos 165 deputados federais em exercício receberam dinheiro – a maior parte de propina – da JBS nas eleições de 2014. Isto segundo as delações de Joesley Batista e de Ricardo Saud, presidente da J&F. De Olho nos Ruralistas fez um levantamento dos membros da Câmara que fazem parte da bancada ruralista, membros ou não da Frente Parlamentar da Agropecuária. Constatação: 99 desses 165 deputados são ruralistas. Eles receberam R$ 31 milhões de um total de R$ 49 milhões.

A lista divulgada pelo site Congresso em Foco traz o nome de 167 políticos (mais um suplente e um candidato não eleito), 165 deles deputados, que receberam doações da JBS. Segundo os delatores, a maior parte das doações era propina. Mesmo aquelas registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Um dos donos da empresa, Joesley Batista, explicou em vídeo como funciona o esquema:

– Normalmente acontece o seguinte: se combina o ilícito, se combina o ato de corrupção com o político, com o dirigente do poder público, e daí pra frente se procede o pagamento. Os pagamentos são feitos das mais diversas maneiras. Seja nota fiscal fria, seja dinheiro, caixa 2, até mesmo doação política oficial.

Cinco partidos concentram 95% das doações. “JBS: PP concentra metade das doações para deputados ruralistas“.

Heinze e seus colegas

Entre os membros da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), 66 estão na lista divulgada pelos delatores. Isso significa 1/3 dos 202 deputados que compõem a frente na Câmara. Segundo a JBS, eles receberam R$ 21,6 milhões. Entre os 66 deputados listados, 21 ficaram com a maior parte desse valor: R$ 16,3 milhões. Vejamos a lista desses 21 parlamentares, organizada pelo observatório:


Entre esses 21 deputados está um expoente da FPA, o deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS), primeiro vice-presidente da CPI da Funai e do Incra, encerrada esta semana na Câmara. Dilceu Sperafico (PP-PR) também era membro titular da CPI. Heinze ficou famoso por ter se referido a indígenas, gays, lésbicas e quilombolas, durante uma audiência pública no Rio Grande do Sul, como “tudo que não presta”.

Também na Lava-Jato

Heinze, Sperafico, Arthur Lira (PP-AL), Dilceu Sperafico (PP-PR), Jerônimo Goergen (PP-RS), Lázaro Botelho (PP-TO), Renato Molling (PP-RS) e Roberto Balestra (PP-GO) apareceram em 2015 na lista de 48 deputados investigados na Lava-Jato, conforme inquérito aberto pelo então ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF). A maioria desses deputados era ruralista, conforme levantou o Instituto Socioambiental (ISA).

Outros 15 deputados da FPA receberam, segundo os delatores da JBS, entre R$ 200 e R$ 500 mil nas eleições de 2014. São eles: Geraldo Resende (PMDB-MS), R$ 450 mil; Luiz Nishimori (PR-PR), Marinha Raupp (PMDB-RO) e Milton Monti (PR-SP), R$ 400 mil cada. Nishimori também integrou a CPI da Funai, que indiciou indígenas, antropólogos, indigenistas e procuradores.

A planilha divulgada pelos delatores da JBS continua com José Rocha (PR-BA) e Jorginho Mello (PR-SC), R$ 300 mil cada; Benito Gama (PTB-BA), R$ 285 mil; Benjamin Maranhão (SD-PB), Daniel Vilela (PMDB-GO), Giacobo (PR-PR), Nilton Capixaba (PTB-RO), Pedro Chaves (PMDB-GO) e Sergio Vidigal (PDT-ES), R$ 250 mil; Elcione Barbalho (PMDB-PA) e Lucio Vieira Lima (PMDB-BA), R$ 200 mil.

Mais 14 deputados receberam entre R$ 100 mil e R$ 170 mil. Entre eles se destaca a deputada Tereza Cristina (PSB-MS), vice-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária e uma das mais ativas da bancada ruralista. Ela também integrou a CPI da Funai. Outro nome que se destaca nessa faixa de doações é o do deputado Carlos Marun (PMDB-MS), aliado do presidente Michel Temer e do ex-deputado Eduardo Cunha. Marun presidiu a Comissão Especial da Reforma da Previdência.

Por fim, 15 deputados da FPA receberam R$ 50 mil ou menos, de acordo com os delatores. Entre eles, três com valores irrisórios, abaixo de R$ 1 mil. Um dos três que receberam R$ 50 mil, Valtenir Pereira (Pros-MT), era membro titular da CPI da Funai. Os delatores não informaram de quanto foi a doação para o deputado Diego Andrade (PSD-MG).

Outros Ruralistas

Nem todo deputado ruralista faz parte da Frente Parlamentar da Agropecuária. Alguns já fizeram parte, outros preferem ficar de fora, por motivos diversos – mas são notórios defensores do agronegócio e de grandes proprietários. De Olho nos Ruralistas identificou outros 23 ruralistas da Câmara na lista da JBS. Eles receberam, no total, R$ 9,1 milhões.

Entre eles, nove parlamentares foram agraciados, segundo os delatores, com a maior parte dessa fatia: R$ 7,9 milhões. São aqueles que receberam valores acima de R$ 500 mil. Vejamos:


Outros seis deputados ruralistas – mas que não integram a FPA – receberam pelo menos R$ 100 mil. São eles: Alfredo Nascimento (PR-AM), R$ 307 mil; Walter Ihoshi (PSD-SP), R$ 250 mil; Jair Bolsonaro (PP-RJ), R$ 200 mil; Sergio Moraes (PTB-RS), R$ 110 mil; Damião Feliciano (PDT-PB) e Paulo Azi (DEM-BA), R$ 100 mil cada.

Bolsonaro costuma esbravejar contra sem-terra e indígenas, em defesa aberta da violência: “Na Paraíba, Bolsonaro diz que vai dar fuzil contra ‘marginais do MST’“.

Outro Lado

O site Congresso em Foco, que divulgou a lista completa, tentou ouvir todos os políticos listados pelos delatores. Entre os 99 deputados ruralistas, 27 responderam.

São eles: Adail Carneiro (PP-CE, eleito pelo PHS), Aelton Freitas (PR-MG), Alfredo Nascimento (PR-AM), Beto Mansur (PRB-SP), Beto Rosado (PP-RN), Bilac Pinto (PR-MG), Daniel Vilela (PMDB-GO), Diego Andrade (PSD-MG), Dimas Fabiano (PP-MG), Eduardo Barbosa (PSDB-MG), Elcione Barbalho (PMDB-PA), Elizeu Dionizio (SD-MS), Geraldo Resende (PMDB-MS), Guilherme Mussi (PP-SP), Heitor Schuch (PSB-RS), Iracema Portella (PP-PI), Jerônimo Goergen (PP-RS), Lázaro Botelho (PP-TO), Luis Carlos Heinze (PP-RS),  Mário Heringer (PDT-MG), Nilton Capixaba (PTB-RO), Renato Andrade (PP-MG), Renzo Braz (PP-SP), Saraiva Felipe (PR-MG), Sergio Vidigal (PDT-ES), Valtenir Pereira (Pros-MT) e Zé Silva (SD-MG).

Os deputados Adail Carneiro (PP-CE), Beto Mansur (PRB-SP), Bilac Pinto (PR-MG), Beto Rosado (PP-RN), Elcione Barbalho (PMDB-MG), Elizeu Dionizio (SD-MS), Geraldo Resende (PMDB-MS), Guilherme Mussi (PP-SP), Heitor Schuch (PSB-RS), Luis Carlos Heinze (PP-RS), Renato Andrade (PP-MG), Sergio Vidigal (PDT-ES) e Valtenir Pereira (Pros-MT), disseram que as doações da JBS foram legais. Alfredo Nascimento (PR-AM), Iracema Portela (PP-PI) afirmaram que todas as doações de campanha foram declaradas. Diego Andrade (PSD-MG), Eduardo Barbosa (PSDB-MG) e Renzo Braz (PP-SP) sustentam que não receberam recursos da JBS na campanha de 2014. Mário Heringer (PDT-MG) e Saraiva Felipe (PR-MG), que receberam somente material de propaganda eleitoral.

Zé Silva (SD-MG) definiu a citação de seu nome na delação como caluniosa. Lázaro Botelho (PP-TO) informou que deve haver um equívoco na citação de seu nome na lista. Dimas Fabiano, que não tem qualquer relacionamento com a JBS e sequer conhece seus diretores e acionistas. Nilton Capixaba (PTB-RO) afirmou que recebeu verba do partido sem saber quem era o doador. Daniel Vilela (PMDB-GO) contou que a doação de R$ 250 mil foi declarada e que sua relação era com José Batista Júnior, irmão de Joesley Batista e seu aliado político. Aelton Freitas (PR-MG) divulgou esta nota. Jerônimo Goergen (PP-RS) negou ter recebido repasse ilegal e contou que sua aproximação com o grupo empresarial se deu através do ex-ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, a quem assessorou no ministério e que se tornou diretor da JBS.

A defesa completa dos deputados pode ser vista aqui.

Senadores

A planilha de doações divulgada pelos delatores inclui também 28 senadores que receberam R$ 58 milhões. Pelo menos 22 deles são ruralistas. O valor é maior que a soma das doações para todos os deputados, mas principalmente pela presença na lista do senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato a presidente em 2014.

Notícias

Comissão Pastoral da Terra (CPT) publica Atlas de Conflitos na Amazônia Legal

Na próxima quinta-feira (28), às 14 horas, no Centro Cultural Missionário, em Brasília (DF), a CPT, em parceria com a Comissão da Amazônia da CNBB e a REPAM, lançará o "Atlas de Conflitos na...

Cercados, Guarani Nhandeva temem ataque de pistoleiros em retomada no Mato Grosso do Sul

Retomada fica dentro da terra indígena Ypo'i/Triunfo, reconhecida pela Funai em 2016. “Precisamos da Polícia Federal. Estamos cercados e em perigo”, denuncia liderança

Ministério Público de Santa Catarina determina demarcação e proteção da terra indígena Cambirela

A Justiça Federal, em decisão na ação do Ministério Público Federal em Santa Catarina (MPF/SC), determinou que Fundação Nacional do Índio (Funai) finalize o processo de demarcação da terra indígena...

Em nota, Repam expressa indignação diante possível massacre sofrido por indígenas em isolamento voluntário

A Rede Eclesial Pan Amazônica (Repam) expressou em um comunicado a indignação e a forte repulsa diante ao possível massacre sofrido por povos indígenas em isolamento voluntário na Amazônia brasileira

No aniversário da Declaração da ONU sobre direitos indígenas, APIB convoca mobilização contra parecer anti-demarcações de Temer

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil convoca povos indígenas e apoiadores para uma grande mobilização nacional contra Parecer 01/17 da AGU no dia 13 de setembro

Total de Resultados: 212

Página atual: 1 de 43

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv