Português English

Direitos negados: Kaingang ainda lutam por tradução e intérpretes em processo penal

Inserido por: Administrador em 06/07/2017.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação do Cimi


Julgamento envolve assassinatos ocorridos na região da Terra Indígena Kandoia, em Faxinalzinho (RS). foto: Renato Santana/Cimi

Com decisões que remontam à época da Ditadura Militar, a Justiça Federal do Rio Grande do Sul e o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negaram a 19 indígenas do povo Kaingang a tradução de um processo judicial no qual são réus. Depois da negativa a um Habeas Corpus, em junho, novo recurso foi submetido ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), buscando garantir aos indígenas a efetivação de direitos que, há quase 30 anos, a Constituição Federal lhes assegurou.

O recurso em Habeas Corpus produzido pela Assessoria Jurídica do Cimi, que atua na defesa dos indígenas no processo, pede novamente a tradução da denúncia para o Kaingang e a presença de intérpretes para que as testemunhas Kaingang possam se expressar na própria língua, além de auxiliar a compreensão do processo pelos 19 indígenas acusados do assassinato de dois agricultores. Também é solicitada a realização de laudo antropológico para averiguar o grau de entendimento do português e trazer aos autos a cosmovisão Kaingang dentro de sua condição indígena.

Em 20 de março, o Juiz Federal da Vara de Erechim (RS), onde o processo de mérito tramita, negou o pedido de tradução do processo e de presença de intérpretes para os 19 réus Kaingang e as testemunhas. Sem nenhuma fundamentação especializada, o juiz decidiu que, embora os acusados tenham o domínio da língua nativa Kaingang, “ao que tudo indica comunicam-se e entendem a língua portuguesa e, por conseguinte, conhecem a acusação que pesa contra eles”.

O juiz ainda afirma que o fato dos indígenas terem permanecido calados durante o depoimento na delegacia, fazendo uso do direito de silêncio, seria uma evidência de que conhecem perfeitamente o português.

Na segunda instância, a situação se repetiu. Em junho, ao julgar o Habeas Corpus solicitando a tradução, a presença de intérpretes e perícia antropológica, o TRF-4 reforçou os argumentos integracionistas do juiz de primeira instância. O laudo antropológico seria dispensável, conforme nova decisão, “no caso de indígenas que estão integrados à sociedade não índia envolvente e que possuem conhecimento a respeito dos costumes a ela inerentes e compreensão a respeito de suas regras”.

A perspectiva integracionista, que direcionou a atuação do Estado brasileiro durante o período da Ditadura Militar, pretendia a integração dos indígenas à “comunhão nacional” por meio do abandono de sua identidade. Essa visão foi superada pela Constituição Federal de 1988, que reconheceu aos povos indígenas sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições.

“O poder Judiciário precisa abandonar de vez os equívocos das políticas de integração e estar pronto para receber o paradigma constitucional no que tange aos direitos indígenas consagrados em 1988, na interpretação e principalmente na aplicação da lei. Sobretudo num processo penal em que os acusados e as testemunhas de defesa são indígenas”, avalia a assessora jurídica do Cimi, Carol Hilgert, uma das autoras do recurso.

A decisão do TRF-4 ainda afirma que existe “desnecessidade de perícia antropológica, pois a ilicitude do homicídio é reconhecida por qualquer comunidade indígena, não havendo dúvidas que a conduta de matar alguém não faz parte dos costumes e tradições do povo Kaingang”.

No recurso, os advogados argumentam que essa afirmação induz a uma lógica equivocada. “Tal tipo de aferição só poderia ser feita para cada povo, em perícia técnica através de laudo antropológico e de maneira contextualizada. Vale lembrar que na nossa própria cultura há casos em que a conduta matar alguém é tida como não reprovável, como é o caso da legítima defesa”.

Amigos da corte

Após a nova negativa ao direito dos indígenas à tradução, dez organizações de defesa dos direitos humanos, entre instituições da Colômbia, México, Peru e Estados Unidos, e clínicas de direitos humanos de universidades do Brasil e do Canadá, ingressaram no processo com pedido de amicus curiae (amigos da corte) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O amicus curiae é um instrumento pelo qual instituições com conhecimento e atuação reconhecidas no tema em discussão pela corte podem participar de processos, produzindo subsídios e contribuindo para a qualificação da decisão a ser tomada pelo tribunal.

Segundo notícia da Fundação para o Devido Processo Legal, uma das organizações que ingressaram com pedido de amicus curiae, o Brasil “é um dos poucos países do continente no qual um juiz penal pode aferir, sem qualquer apoio em perícia antropológica ou linguística, o grau de compreensão do indígena sobre um determinado idioma”.

Atentando aos parâmetros do Direito Comparado e do Direito Internacional dos Direitos Humanos, as organizações apontam que a tradução, a interpretação e a perícia antropológica devem ser observadas desde a primeira etapa do processo penal, para evitar que o devido processo legal e a ampla defesa sejam prejudicados. Tais direitos, ressaltam, são protegidos pela Convenção Americana sobre Direitos Humanos e pela Convenção 169 da OIT, ambas subscritas pelo Brasil.

Decisão

Após a negativa do Habeas Corpus no TRF-4, em 6 de junho, a defesa dos indígenas ingressou com o recurso no STJ. O relator do recurso é o ministro Rogerio Schietti, da Sexta Turma. Como o STJ está em recesso entre os dias 2 e 31 de julho e a violação de direitos dos indígenas segue em curso, a defesa interpôs um pedido de decisão liminar, que pode ser julgado a qualquer momento pela Presidente do tribunal, a ministra Laurita Vaz.


Indígena Kaingang em manifestação. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Residentes das terras indígenas Votouro e Kandoia, os 19 Kaingang respondem pelas mortes de dois agricultores, ocorridas no dia 28 de abril de 2014 em Faxinalzinho (RS), enquanto os indígenas bloqueavam estradas da região. Os Kaingang reivindicavam a demarcação completa do seu território tradicional, que se arrasta há 17 anos. Na ocasião, cinco indígenas chegaram a ser presos sem qualquer evidência e seguem inscritos, junto a outros 14, nos crimes dos quais são acusados de forma genérica e sem individualização de condutas no processo penal.

Recurso em Habeas Corpus (RHC) no STJ: 86305/RS
Acesse aqui a peça de amicus curiae.

RS

Indígenas Guarani Mbya no Rio Grande do Sul divulgam documento final após encontro de lideranças

Lideranças Guarani Mbya reunidos na Terra Indígena Jatai’ Ty, Canta Galo, município de Viamão, Rio Grande do Sul, analisaram a conjuntura das políticas indigenistas no país.

Indígenas Kaingang, Guarani e Xokleng protestam em SC e RS contra má gestão na saúde indígena

Duas rodovias foram trancadas no norte do Rio Grande do Sul por indígenas Kaingang e Guaraní na tarde de ontem, quarta-feira (05). Os protestos ocorrem simultaneamente a presença de lideranças...

Cerca de 2 mil indígenas fecharam seis rodovias no RS contra nomeação de ruralista à Funai

Seis rodovias foram trancadas, em diferentes trechos, por cerca de 2 mil indígenas Kaingang e Guarani Mbya nesta terça-feira, 27, envolvendo sete municípios do Rio Grande do Sul.

Recomendação do MPF pede que estado priorize contratação de professores indígenas em escolas indígenas

Uma recomendação do Ministério Público Federal (MPF) de Passo Fundo, na região norte do Rio Grande do Sul, expedida no dia 16 de junho, pede que a Secretaria Estadual de Educação contrate professores...

Habeas Corpus pede uso do idioma e tradução do processo para 19 Kaingang em julgamento

Os indígenas argumentam que "a ampla defesa e o contraditório só estarão preservados com a presença, em todos os atos processuais, de um intérprete".

Total de Resultados: 154

Página atual: 1 de 31

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv