Português English

Encontro no baixo Tapajós retoma departamento de jovens indígenas

Inserido por: Administrador em 11/07/2017.
Fonte da notícia: Bárbara Dias, Cimi Norte II


Fotos: Barbara Dias / Cimi

Por Barbara Dias, do Cimi Norte II

“Vocês estão preparados para perder o rio de vocês? A floresta? Os anciões? Porque nosso povo Krenak perdeu tudo isso por causa da mineradora Vale”. O sentimento de perda da indígena Shirley Krenak, liderança do povo Krenak, de Minas Gerais, sobre o crime da Vale contra o Rio Doce e da área costeira iniciou a troca de experiências no encontro que retoma as atividades do departamento de jovens indígenas do baixo Tapajós. “Depois que a gente perde, não tem mais como voltar atrás”, completou. As juventudes se reuniram no último final de semana, de 7 a 9, na aldeia Lago da Praia, Território Cobra Grande, cidade de Santarém (PA).

Com a presença de 130 jovens indígenas das 67 aldeias do baixo Tapajós, o encontro trouxe para o debate o papel da juventude na defesa de seus territórios, na saúde e educação diferenciada e no fortalecimento da cultura indígena. “A retomada do nosso departamento de jovens surgiu com o intuito de fortalecer o movimento indígena do baixo Tapajós. É uma articulação que nos prepara para lutar em defesa de nossas terras e territórios”, comentou Diego Arapyum.

O departamento de jovens indígenas do baixo Tapajós foi criado em 2005 e manteve sua atuação até 2007. Nasceu com o objetivo de fortalecer a identidade indígena dos jovens na reafirmação étnica de seus povos e para a revitalização cultural. O baixo Tapajós sofreu com um intenso e violento processo de colonização que quase dizimou fisicamente e culturalmente diversos povos da região. Com as juventudes, novas formas de resistência surgiram nos últimos anos. A partir das referências e sabedorias dos pajés e anciãos, propõem-se outras maneiras de educar, a partir do território do qual pertencem.



Além das discussões que contribuem para a formação política e empoderamento da juventude indígena, o encontro foi espaço de apresentações artísticas, cantos, rituais, danças típicas da região, como o carimbó, e alimentos tradicionais, como kaxiri e tapioca. No encerramento aconteceu a eleição da coordenação que responderá pelo departamento de jovens indígenas do baixo Tapajós. Na região encontram-se os povos indígenas Arapiun, Apiaká, Arara Vermelha, Borari, Kumaruara, Jaraqui, Maytapu, Munduruku, Munduruku Kara Preta, Tupinamba, Tapajó, Tupaiú e Tapuia.

Descolonizar e autodemarcar

O baixo Tapajós busca alternativas para forjar conceitos vistos como indiscutíveis na modernidade, impostos pela colonização. O modelo atribuído por séculos é negado pelas juventudes que se encontraram para debater alternativas para os povos indígenas. Repudiam as propostas que se utilizaram das estruturas de poder, pensar e agir para descontruir saberes que perpassaram gerações. O “novo” modelo de educar colonizador dos não indígenas nunca refletiu as realidades e as maneiras de relações dos povos.

Nos últimos anos vários movimentos autônomos surgem e se expandem por toda a região do baixo Tapajós. Exemplo disso são as autodemarcações no baixo e médio Tapajós, amplamente discutida no encontro pelos jovens.  A Terra Indígena Maró, do povo Borari, que sofria com a invasão constante de madeireiros e com a extração ilegal de madeira da Terra indígena (TI), foi a primeira a fazer autodemarcação. Os Borari criaram uma complexa rede de estratégias para monitoramento e defesa de seu Território. Contam, principalmente, com a formação dos jovens para monitorar e fazer vigilância dos limites da TI. Lugares antes usados como ponto de apoio para madeireiros, hoje são espaços de formação para crianças e jovens, conta Odair Borari, cacique da aldeia de Novo Lugar.

O povo Tupinambá também já começou a fazer autodemarcação em seu território. No médio Tapajós os Munduruku da TI Daje Kapap Eipi, conhecida como Sawre Muybu, estão com a autodemarcação praticamente concluída. Luciane Saw Munduruku, da aldeia Sawre Muybu do mesmo território, participou do encontro e compartilhou sua experiência na autodemarcação. Na época com 11 anos, ela e outras quatro adolescentes tiverem papel fundamental com a produção de vídeos e divulgação de todo o processo de retomada dos territórios tradicionais.

Resistentes na luta

Os jovens indígenas do baixo Tapajós sofrem com a discriminação dentro da universidade, pela sociedade civil e pelos poderes públicos. Sua identidade é posta em xeque ao serem questionados: “são índios de verdade? ”. A luta assumida pelos jovens nesses espaços desconstrói a imagem idílica e estereotipada de “ser índio”. “Não é o celular e tampouco a roupa que usamos que vai mudar o fato de que somos índios. Eu nasci no movimento, cresci no movimento e vou morrer no movimento indígena”, reafirma o cacique Welton Suruí, da aldeia Itahy, povo Suruí, Marabá (PA).

Diante a negação de identidade dos povos indígenas, a cacica Ligiane Tapajós, da aldeia Lago da Praia, reitera a resistência dos povos e a luta por reconhecimento. “Nós estamos aqui, vivos e resistentes, para lutar e para reivindicar nossos direitos”, ressalta. “Reafirmamos nossos direitos presente na Constituição Federal de 1988. Viveremos de forma como percebemos o mundo”.


PA

“Tudo sai da floresta”: vivência reforça autonomia e saberes tradicionais na Terra Indígena Maró

Terceira vivência de notório saber e Nheengatu na TI Maró, no baixo Tapajós, reuniu mais de 130 indígenas de diversos povos para trocar saberes e conectar educação com defesa do território

Tribunal Regional Federal da 1ª Região paralisa mina da Vale no Pará por danos a índios Xikrin e Kayapó

Decisão da 5ª Turma ordena a paralisação imediata das atividades da Onça Puma. Mineradora deve estimadamente R$ 50 milhões em compensação aos índios

MPF questiona órgão do Ministério da Saúde sobre atendimento à saúde indígena em Oriximiná (PA)

Entre diversas outras irregularidades, pacientes e acompanhantes vivem em barracos de lona improvisados, com riscos de acidentes e em condições nocivas à saúde.

Ka'apor e Gamela divulgam cartas em apoio aos Munduruku

Povos do Maranhão manifestam apoio aos Munduruku, que ocuparam o canteiro de obras da usina hidrelétrica (UHE) São Manoel, no Pará

Mulheres munduruku pautam ocupação do canteiro da hidrelétrica São Manoel

No segundo dia da manifestação dos indígenas nas obras no rio Teles Pires, movimento divulga nova carta pública sobre a situação do protesto

Total de Resultados: 566

Página atual: 1 de 114

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv