Português English

Movimento indigenista divulga nota e questiona o MPF sobre postura da Procuradoria de Eunápolis no caso Joel Braz

Inserido por: Administrador em 25/08/2017.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação - Cimi

A Procuradoria da República de Eunápolis (BA) recorreu da decisão do Júri Popular, ocorrido no último dia 17, que absolveu o indígena Joel Braz Pataxó do crime de homicídio de um pistoleiro, ocorrido em dezembro de 2002. O movimento indígena, organizações indigenistas e programas acadêmicos voltados aos povos indígenas divulgaram nesta sexta-feira, 25, uma nota demonstrando "estranhamento" e "contrariedade" diante da posição da Procuradoria.

 

"(...) Essa Procuradoria (tem sido) objeto de insistentes e justas queixas da parte do povo Pataxó, face à sua reiterada atuação em oposição e em contrário a legítima defesa dos direitos desse povo, como no caso da acusação de homicídio que pesa sobre os indígenas Lourisvaldo da Conceição Braz e Valtenor Silva do Nascimento e em outros feitos", diz trecho da nota.

 

Para os movimentos e organizações, "as características do caso e de suas circunstâncias nos parecem claras o suficiente para que tivesse esse Ministério Público Federal atuado judicialmente em defesa de Joel Braz, em conformidade com sua missão constitucional de "defender judicialmente os direitos e interesses das populações indígenas" - conforme disposto no artigo 129º, inciso V, da Constituição Federal".

 

Leia na íntegra:

 

NOTA PÚBLICA AO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SOBRE O CASO DO CACIQUE PATAXÓ JOEL BRAZ

Vimos, muito respeitosamente, manifestar à 6ª Câmara do MPF, à Ouvidoria do Ministério Público Federal e ao Conselho Nacional do Ministério Público o nosso estranhamento e nossa contrariedade diante da conduta da Procuradoria da República em Eunápolis em processo judicial em que foi réu o indígena Joel Braz dos Santos.

Como é sabido, de 1998 a 2002 Joel vinha exercendo a liderança de várias comunidades pataxós situadas em terras de ocupação tradicional desse povo - e ora já devidamente identificadas pela Funai como Terra Indígena Barra Velha do Monte Pascoal - até então ocupadas por fazendas improdutivas, retomadas nesse período pelos Pataxó, mas ainda questionadas pelos pretensos proprietários dessas áreas.

Residindo em uma dessas retomadas, Joel foi, a 08 de dezembro de 2002, aí abordado por um pistoleiro que, apontando-lhe um rifle, tinha o claro intento de matá-lo, tendo entretanto tombado antes com um tiro em legítima defesa disparado por Joel.

O fato teve grande repercussão na região e na luta dos povos indígenas, tendo sido transferido para a Justiça Federal em 2006, quando Joel passou a estar submetido a prisão domiciliar, sob responsabilidade da Funai, na Aldeia de Barra Velha.

As características do caso e de suas circunstâncias nos parecem claras o suficiente para que tivesse esse Ministério Público Federal atuado judicialmente em defesa de Joel Braz, em conformidade com sua missão constitucional de "defender judicialmente os direitos e interesses das populações indígenas" - conforme disposto no artigo 129º, inciso V, da Constituição Federal - uma vez que o feito guarda inequívoca relação direta com a defesa de direitos territoriais e coletivos do povo Pataxó, flagrantemente ameaçados no caso por ações de pistoleiros. Entretanto, não só não atuou o MPF em defesa do povo Pataxó como assumiu a denúncia e acusação a Joel; malgrado o que, em tribunal do júri havido em 16 de agosto de 2017 na cidade de Eunápolis, restou cabalmente comprovada a tese da legítima defesa e as consequentes inocência e absolvição de Joel.

Diante do exposto, reiteramos nosso estranhamento e nossa contrariedade diante da informação, lavrada em ata do dito tribunal do júri, de que terá o MPF, através de sua Procuradoria no Município de Eunápolis, recorrido da decisão.

A propósito, vale referir que tem sido essa Procuradoria objeto de insistentes e justas queixas da parte do povo Pataxó, face à sua reiterada atuação em oposição e em contrário a legítima defesa dos direitos desse povo, como no caso da acusação de homicídio que pesa sobre os indígenas Lourisvaldo da Conceição Braz e Valtenor Silva do Nascimento e em outros feitos em que, em uma região em que predomina o poderio econômico do agronegócio e da indústria do turismo predatório, que sabidamente não convivem com os direitos dos povos indígenas, parece estar essa Procuradoria mais afeita à proteção de interesses desses grupos que à do povo Pataxó, cujos direitos lhe caberia defender.

Assinam:

Associação Nacional de Ação Indigenista - ANAI

Programa de Pesquisa Povos Indígenas do Nordeste Brasileiro-PINEB -FFCH/UFBA

Conselho Indigenista Missionário - CIMI

Memória, processos identitários e territorialidades no Recôncavo da Bahia- MITO-UFRB

Centro de Estudos e Pesquisas Interculturais e da Temática Indígena da UNEB -CEPITI

Licenciatura Intercultural em Educação Escolar Indígena - Liceei/UNEB

Movimento Indígena dos Povos e Organizações Indígenas da Bahia - MUPOÍBA

Movimento Indígena da Bahia - MIBA


BA

Tupinambá da aldeia Serra do Padeiro é assassinado no sul da Bahia

O indígena Tupinambá Luiz Viana Lima, 54 anos, conhecido como “Luizão Tupinambá”, foi assassinado na manhã deste sábado, 26. Lideranças pedem investigações às autoridades públicas

Comunidades educacionais do sul da Bahia realizam etapa local da II Conferência Nacional de Educação Escolar Indígena

Os povos Pataxó Hã-hã-hãe e Tupinambá de Olivença participaram da etapa

Juiz solicitou à Funai retirada de famílias Pataxó sob multa revertida à empresa autora da ação

Caso não cumprisse a determinação, a Funai deveria pagar multa diária de R$ 10 mil a ser revertida para a empresa autora da ação de despejo, a Goes Cohabita

Justiça Federal determina o despejo de 500 famílias Pataxó em benefício de empresa do setor imobiliário

“O que pedimos à Funai e ao Ministério da Justiça é que publiquem o relatório de demarcação porque a morosidade traz insegurança jurídica e permite todas essas reintegrações", diz cacique Aruã

Povo Tuká-Tupã e MST realizam manifestação em Paulo Afonso (BA) contra a PEC 241 e CPI da Funai/Incra 2

“Essa PEC faz parte de um pacote contra nossos povos. Vão cortar recursos pra demarcação de terras e fazem essa CPI da Funai/Incra para enfraquecer ainda mais nossos direitos”

Total de Resultados: 232

Página atual: 5 de 47

Início Anterior 12345678910 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv