Português English

Povo Pankararu ocupa Chesf Itaparica por indenização e contra estradas na terra indígena

Inserido por: Administrador em 30/08/2017.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação - Cimi


Crédito da foto: Alexandre Pankararu/Apoinme



Por Renato Santana, da Assessoria de Comunicação - Cimi*


Cerca de 100 indígenas do povo Pankararu ocupam desde segunda-feira, 28, o Acampamento Itaparica da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), no município de Jatobá, sertão de Pernambuco. Os Pankararu protestam contra a construção de estradas na terra indígena, sem a anuência do povo, e por indenização devido a empreendimentos da companhia que cortam as aldeias.


Os Pankararu esperam para esta quarta-feira, 30, uma reunião entre lideranças e representantes da Chesf. Caso não ocorra, os indígenas afirmam que "não terão responsabilidade sobre o que possa acontecer".


Assista: Vídeo da Apoinme sobre a ocupação do Acampamento Itaparica


"Há alguns anos a Chesf passou uma linha de transmissão em nosso território e nunca indenizou. Hoje a companhia precisa de uma licença de operação e sem a nossa autorização entra na terra com máquinas e faz estradas. Totalmente errado", explica  Sarapó Pankararu, coordenador executivo da Articulação de Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (Apoinme).


Sarapó Pankararu enfatiza que o povo está "fazendo uma mobilização pacífica pra chamar a atenção da Chesf e buscar um diálogo". O Acampamento Itaparica foi estruturado depois da construção da UHE Luiz Gonzaga, em 1988, então chamada de Itaparica. O lago da usina inundou uma área de 834 km quadrados desalojando cidades e terras indígenas em Pernambuco e na Bahia.    


"No passado, eu e minha família vivia da pesca. Era o nosso sustento. Meu pai e minha mãe eram pescadores. Isso acabou depois da usina. Então estamos aqui nessa ocupação por conta disso, desses impactos", explica Ney Pankararu. A professora Maria José Pankararu reitera que "eles (Chesf) entraram nas nossas terras e tomaram conta dos nossos espaços sagrados e de subsistência. Estamos lutando por nossos direitos. Que venham dialogar e fazer esse reparo, por mais que não substitua o que temos de mais sagrado e eles depredaram".


O cacique Zenivaldo Bezerra, da Terra Indígena Entre Serras Pankararu, também afetada pela usina, argumenta que o movimento é para exigir respeito. Os Pankararu denunciam que no início da ocupação foram tratados com arrogância. "Chegaram aqui fazendo exigências e a gente não pode aceitar isso. O prejudicado aqui é o povo Pankararu. Desde a década de 60 passam linhas de transmissão e nunca indenizaram", pondera Sarapó Pankararu.    


Para Atian Pankararu, parte da memória do povo e dos antepassados está debaixo da água. O que não submergiu está sob constante ameaça de invasão. Por conta disso, "toda nossa terra, abaixo do rio São Francisco, que encontra com o rio Pajeú, com o rio Moxotó, tem toda uma herança que os antepassados deixaram". O indígena afirma que "hoje o governo com a usina, posseiros, prefeitos, deputados e vereadores tentam tomar de conta das nossas terras".  


A Chesf, enfatizam os Pankararu, nunca resolveu os problemas gerados pelo empreendimento e seus impactos - linhas de transmissão, acampamentos, estruturas de apoio, fluxo migratório de trabalhadores, estradas. Agonan Pankararu, um dos pajés do povo, acredita que parte dessa luta envolve o futuro dos indígenas no território. "A gente briga pelos encantados que vivem na terra, tem o equilíbrio gerado que vai além do povo Pankararu, e pra todo os curumins de nossa nação Pankararu", diz.


*Com informações de Alexandre Pankararu, da Assessoria de Comunicação da Apoinme


PE

Movimento de Comunidades Populares divulga nota contra a PEC 215 e em apoio aos povos indígenas

A previsão constitucional de 1988 representa o mínimo que a sociedade brasileira pode fazer em favor dos povos originais

Agricultura Xukuru e Natureza Sagrada: Pensamentos e práticas em torno da materialização do “Encantamento do Urubá"

Diálogos de saberes e as vozes do Ororubá: resgatando a cultura e protegendo a Mãe Natureza, suas sementes e resistência

Indígenas e quilombolas firmam aliança para a demarcação de terras no sertão de PE

Aliança foi discutida no 1º Encontro de Comunidades Tradicionais de Itacuruba

Xukuru de Ororubá reúne povos do Nordeste em assembleia que discutiu território e acesso à água

DIGA AO POVO QUE AVANCE! Na foto, a tradicional descida da Serra do Ororubá até o local onde cacique Xikão Xukuru foi assassinado, ma cidade de Pesqueira (PE)

Povos indígenas de Pernambuco ocupam Gerências Regionais de Educação

“O governo quer impedir os nossos alunos de ir para a escola”, diz liderança. Por mudanças na educação indígena em Pernambuco, mais de 1600 indígenas ocuparam Gerências Regionais de Educação

Total de Resultados: 21

Página atual: 3 de 5

Início Anterior 12345 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv