Português English

XVII Caminhada dos Mártires: o povo Tupinambá por "Nenhum Direito a Menos!"

Inserido por: Administrador em 28/09/2017.
Fonte da notícia: Por Cimi Regional Leste - Equipe Itabuna


Crédito da foto: Haroldo Heleno/Cimi Regional Leste


Manhã de domingo, 24 de setembro de 2017. Debaixo de muita chuva mesclada com um sol ardente, a rodovia entre Ilhéus e Una, no sul da Bahia, é tomada por uma multidão: o povo Tupinambá de Olivença realiza a XVII Caminhada dos Mártires. Em caminhada de aproximadamente sete quilômetros, da Vila de Olivença até a Praia do Cururupe, em Ilhéus, cerca de 2.200 pessoas participaram da edição, que faz memória à Batalha dos Nadadores, chacina comandada pelo governador-geral Mem de Sá, em 1559, contra os Tupinambá.

 

Segundo relato de Sá, quando dispostos ao longo da praia, “tomavam os corpos [dos indígenas assassinados] perto de uma légua” (apud João da Silva Campos. 2006 [1947]. Crônica da capitania de São Jorge dos Ilhéus. 3 ed. Ilhéus, Editus, p. 186). A caminhada também faz memória da saga do caboclo Marcellino José Alves e de seus companheiros, que, nas décadas de 1920 e 1930, lutaram contra a penetração dos não-índios no território Tupinambá; em especial resistindo contra a construção da ponte do Cururupe, que possibilitaria o livre trânsito dos indígenas no local.

 

Este ano a caminhada foi precedida por dois eventos importantes para os povos indígenas do sul da Bahia: o 1º Acampamento Terra Livre (ATL) Sul da Bahia, nos dias 21 e 22, realizado ao lado da Catedral São Sebastião, no Centro de Ilhéus, e a Assembleia dos Povos, no dia 23, na Aldeia Acuípe de Baixo, divisa dos municípios de Una e Ilhéus.

 

Somaram-se ao povo Tupinambá lideranças de outros povos presentes nas atividades e uma grande diversidade de representantes de movimentos sociais, estudantes, pastorais e organismos da Igreja Católica, sindicatos, estudantes, entidades da sociedade civil, representantes governamentais e não governamentais. Não só da região, mas de todo o Brasil e até do exterior.

 

A caminhada dos Mártires Tupinambá é realizada desde o ano de 2000, quando a Diocese de Ilhéus propôs um gesto concreto da Campanha da Fraternidade daquele ano, que tinha como tema: “Dignidade Humana e Paz, Novo Milênio sem exclusão!” e tinha entre seus objetivos gerar uma proposta de um modelo de vida em que valores morais e éticos exaltasse a dignidade da pessoa humana, evitassem as exclusões que marginalizavam, criar condições de paz, promover a solidariedade e a partilha.

 

Também tinha como objetivo a promoção do diálogo, o respeito à liberdade de consciência e de religião, a defesa do meio ambiente, a busca da verdade que liberta e de soluções não violentas para os conflitos sociais, a fim de que se criem condições de sobrevivência, inclusive para as futuras gerações.

 

Passados 17 anos, percebemos que a Caminhada mantém os mesmos propósitos e desafios daquela Campanha da Fraternidade. Na fala e manifestações de todas as lideranças e dos aliados e parceiros presentes, os objetivos estabelecidos na CF 2000 ainda se fazem necessários e urgentes.

 

Já caminhamos há 17 anos neste novo Milênio, mas as perseguições, o preconceito, a exclusão, a violência, as agressões ambientais, continuam atingindo as comunidades indígenas no sul da Bahia. Ainda continuamos buscando a Dignidade e a Paz e luta pela não exclusão dos Tupinambá.

 

Ao final do percurso, na praia do Cururupe, após intenso ritual, houve a fala dos anciãos, caciques e aliados. Em todas elas, se abordou a necessidade da urgência na demarcação do território Tupinambá. A morosidade do procedimento, por parte do governo federal e suas instituições, tem acarretado um intenso e orquestrado processo de criminalização das lideranças e uma série de violência e violações de direitos contra este povo. Por isso foi muito forte as palavras de ordem ao final do Porancim: DEMARCAÇÃO JÁ! DEMRACAÇÃO JÁ! E FORA TEMER!

 

Contra a tese do Marco Temporal, e rebatendo todos os argumentos fajutos dos inimigos dos povos indígenas, a faixa de abertura da Caminhada, que também foi elemento de reflexão do ATL e da Assembleia, resumia o pensamento e a determinação dos povos ali presentes: “A Nossa História não começa em 1988 – Não ao Marco Temporal”.  E o tema da Caminhada: “Nenhum Direitos a menos!”.

BA

NOTA: Cansado do descaso das autoridades, o povo de Correntina reage em defesa das águas

A mídia está a noticiar que na manhã de quinta-feira, 02/11/2017, feriado de Finados, houve manifestação de populares nas Fazendas Igarashi e Curitiba, no distrito de Rosário, município de Correntina....

Indígenas ocupam Coordenação Regional do Baixo São Francisco contra nomeação de indicado do PP à Funai

A ingerência partidária na Funai levou perto de 200 indígenas a ocupar a sede da Coordenação Regional do Baixo São Francisco do órgão indigenista, em Paulo Afonso (BA)

Funai precisa solicitar cessão de área ao SPU para delimitar Terra Indígena Kariri-Xocó de Paulo Afonso

Nota Pública do Cimi - DNIT abriu mão da área e SPU aguarda apenas a solicitação da Funai para transferência de cessão e destinação ao povo indígena

Assembleia da Juventude Tupinambá discute povos Indígenas, territórios e biomas

"Expressamos nossa solidariedade a todos os povos do Brasil que passam pelo mesmo processo de desrespeito e violência", diz trecho da carta do encontro dos jovens Tupinambá

Movimento indigenista divulga nota e questiona o MPF sobre postura da Procuradoria de Eunápolis no caso Joel Braz

A Procuradoria da República de Eunápolis (BA) recorreu da decisão do Júri Popular, ocorrido no último dia 17, que absolveu o indígena Joel Braz Pataxó do crime de homicídio de um pistoleiro

Total de Resultados: 232

Página atual: 1 de 47

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv