Português English

MPF/MA recebe denúncia de violência por madeireiros contra os Awá-Guajá

Inserido por: Administrador em 21/09/2011.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação do MPF/MA

Representantes do Conselho Indígena Missionário (Cimi) e indígenas da etnia Awá- Guajá, da Terra Indígena Caru, localizada no município de Bom Jardim (MA), se reuniram com o procurador da República Alexandre Silva Soares, nesta terça-feira (20), na sede da Procuradoria da República no Maranhão (PR/MA), para reafirmar que os índios continuam sofrendo ameaças por parte de madeireiros que estão ocupando o território indígena.

Participaram da reunião, além dos indígenas, o procurador da República, juntamente com as representantes do Cimi, Rosimere Diniz e Madalena Borges e os advogados Diogo Cabral e Igor Almeida, representante da Comissão de Direitos Humanos da OAB e da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos.

As representantes do Cimi afirmaram que a Fundação Nacional do Índio (Funai) está sendo omissa em relação às denúncias e alega que não tem condições de manter uma fiscalização permanente no local por falta de recursos.

O procurador ressaltou a importância da presença da Funai na região e afirmou que é papel da entidade garantir a segurança e a manutenção do espaço de vida dos índios.

Ele atentou, também, para o problema do desmatamento praticado pelos madeireiros, que afeta sensivelmente os meios de sobrevivência dos índios. Com relação a esse ponto, o MPF frisou que já existem ações judiciais contra os infratores, mas que irá ressaltar à Funai e ao Ibama a necessidade de presença permanente dos órgãos de fiscalização.

Ainda segundo o procurador, as investigações quanto ao fato agora denunciado estão em fase inicial, e muitos pontos ainda não podem ser divulgados para a imprensa. Entretanto, afirmou que o Ministério Público Federal (MPF) já está cobrando ações de fiscalização intensiva por parte da Funai, além de providências de segurança por parte do governo federal para garantir a preservação dos índios Awá-Guajá.

MA

Criança Guajajara morre e outra tem 60% do corpo queimado em incêndio na Terra Indígena Bacurizinho

O PrevFogo, do Ibama, extinguiu a brigada de combate a incêndios da T.I Bacurizinho em meados de fevereiro deste ano. Os Guajajara treinados estão como colaboradores combatendo o fogo na T.I Arariboia

Justiça Estadual ordena despejo de aldeia Gamela, fala em direito de conquista e questiona identidade do povo

Povo Gamela e advogados questionam competência do juiz para decidir sob litígio de terra reivindicada por indígenas e os argumentos usados pelo magistrado

Brigadistas Guajajara avistam na T.I Arariboia indígenas Awá isolados combatendo incêndio

"Estamos levando água para eles. Nessa época do ano os igarapés estão secos, o que é normal, mas dificulta ainda mais com esse incêndio”

Guardas florestais Ka'apor sofrem emboscada e mais um ramal madeireiro é descoberto na T.I Alto Turiaçu

Eusébio Ka’apor foi assassinado na mesma região desta emboscada. Pistoleiros e madeireiros abordam indígenase os obrigam a dizer onde estão as liderança do Conselho Ka’apor e guardas florestais

Homens armados invadem retomada em carro de empresa de segurança, atiram e ameaçam indígenas Gamela

O veículo usado pelos invasores pertence a uma empresa de segurança privada. Os homens não estavam uniformizados, não mostraram distintivos ou informaram a razão de estarem na retomada

Total de Resultados: 196

Página atual: 1 de 40

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv