Português English

Boletim Mundo: Madeireiros ameaçam invadir aldeias do povo Ka’apor em represália à apreensão de equipamentos

Inserido por: Administrador em 27/06/2014.
Fonte da notícia: Asessoria de Comunicação - Cimi

Grupos madeireiros ameaçam invadir a qualquer momento duas aldeias da terra indígena Ka’apor, no Maranhão. A agressão seria uma represália à ação de indígenas Ka’apor que em atividades de etnomapeamento do território tradicional, durante essa semana, apreenderam tratores de esteira, armas, motosserras, caminhões e motocicletas. Os ka’apor detiveram ainda um grupo de homens que manuseavam os equipamentos de retirada ilegal de madeira e, conforme informações, até o momento não tiveram apoio de forças federais.

De acordo com informações de indígenas e apoiadores, que aqui preservamos os nomes por razões de segurança, os agrupamentos madeireiros têm se concentrado nos municípios Nova Olinda do Maranhão e Santa Luzia do Paruá, vizinhos à terra indígena. Porém, segundo os indígenas, a entrada que dá acesso às aldeias fica na cidade de Centro do Guilherme. “É uma união de agressores que vivem ameaçando e intimidando os indígenas”, conta um apoiador.  

Há mais de um ano os ka’apor iniciaram rondas de monitoramento ambiental e territorial na área que compreende a demarcação da Terra Indígena Alto Turiaçu. O trabalho conseguiu proteger 70% da área, porém o restante segue invadido por madeireiras e serrarias instaladas, com destaque, no centro-oeste maranhense e em Paragominas, Pará. Com a desintrusão da Terra Indígena Awá Guajá, tais associações criminosas concentraram esforços na Alto Turiaçu.  

“Infelizmente existe conivência por parte dos poderes municipais. Esses madeireiros possuem fazendas e são os mesmos que devastaram a terra indígena Awá, agora em fase de proteção depois da desintrusão”, diz um apoiador dos indígenas. Ele explica que equipes da Fundação Nacional do Índio (Funai) são intimidadas na região e não recebem apoio do governo federal para criar Postos de Apoio e Vigilância. Os que existem estão sem proteção policial e comumente são atacados, sobretudo na terra indígena dos awá.

No final deste mês vence o prazo estabelecido pela Justiça Federal para a criação de mais postos, mas até agora nada foi feito. “Os Ka'apor e demais povos indígenas no Brasil estão dando para o Estado brasileiro uma verdadeira demonstração de autonomia e comprovando a falta de compromisso e inoperância dos órgãos públicos, que deveriam resguardar e proteger os territórios indígenas”, opina outro apoiador local do povo Ka’apor.

Já os indígenas ka’apor afirmam que seguirão protegendo suas terras em rondas de fiscalização e contra a invasão madeireira. Nas aldeias o clima é de vigília e atenção, enquanto um grupo de guerreiros segue na floresta espreitando possíveis invasores. 

A notícia faz parte do Boletim O Mundo que nos Rodeia. Para recebê-lo ou enviar sugestões, basta enviar mensagem ao e-mail mundo@cimi.org.br

MA

II Encontro da TEIA dos Povos Indígenas do Maranhão reforça unidade contra 'projetos de morte' e violência

"Sentimos as dores dos nossos parentes Gamella, dos tiros de fazendeiro contra indígenas Krikati, nos preocupamos com as ameaça de madeireiros de invasão da aldeia Rubiácea (Gavião)"

Madeireiros se reúnem e ameaçam invadir aldeia Pyhcop Catiji Gavião (MA)

"As mulheres e as crianças estão deixando a aldeia, indo pra outras. Estamos nós aqui prontos pra resistir, mas não queremos violência e já comunicamos as autoridade", diz

A Teia poupa vidas

VI Encontrão de Povos e Comunidades Tradicionais do Maranhão reuniu cerca de 600 integrantes de povos e comunidades e contou com a presença do líder seringueiro Osmarino Amâncio

Encontrão da Teia reúne povos e comunidades tradicionais do Maranhão

Os povos presentes discutiram o tema: “Não estamos extintos, estamos de pé, em luta” sob o lema “Essa terra é nossa” - menos de um mês depois do massacre contra o povo Gamela

Indígenas Krikati são atacados a tiros enquanto pescavam em açude da terra tradicional demarcada

O caso da desintrusão da Terra Indígena Krikati está inserido numa conjuntura de conflitos idênticos aos que ocorrem em outras regiões do Maranhão

Total de Resultados: 222

Página atual: 1 de 45

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv