Português English

Em Chapecó e Imbituba (SC), indígenas manifestaram-se após assassinato de menino Kaingang e cobraram justiça

Inserido por: Administrador em 06/01/2016.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação do Cimi

Hoje (6) à tarde, cerca de 600 pessoas, entre indígenas dos povos Guarani Mbyá e Kaingang e não-indígenas, participaram de atos em protesto pela morte do menino Kaingang Vítor Pinto, de dois anos, assassinado há uma semana na rodoviária de Imbituba (SC) enquanto era alimentado no colo de sua mãe.

Em Imbituba, o ato ocorreu em frente à própria rodoviária e teve a participação de aproximadamente 100 pessoas, que utilizaram lenços vermelhos no pescoço em referência ao local onde a criança foi esfaqueada. Em seguida, os manifestantes dirigiram-se à delegacia da Polícia Civil, que fica logo atrás do local onde o crime ocorreu, para cobrar esclarecimentos sobre a investigação da morte da criança.

No local onde o crime aconteceu, os indígenas fizeram uma inscrição no chão, com os dizeres: “Vítor Kaingang, você vive em nós”.

Em Chapecó, cidade na qual fica a Aldeia Kondá, onde vive a família de Vítor, outro ato reuniu cerca de 500 pessoas, em sua grande parte indígenas das comunidades locais. Os indígenas realizaram danças e, após algumas falas, fizeram uma caminhada pelo centro da cidade.

Os pais de Vítor, como muitos outros indígenas costumam fazer nesta época do ano, haviam saído da Terra Indígena Aldeia Kondá para comercializar artesanato no litoral catarinense, onde pretendiam permanecer até o fim do carnaval junto com ele e seus outros dois filhos, um de seis e outro de doze anos.

Ao meio-dia, na quarta-feira passada (30/12), na antevéspera do Ano Novo, Vítor foi esfaqueado no pescoço por um desconhecido que se aproximou enquanto ele se alimentava no colo de sua mãe.
Vítor faleceu em um local que a família Kaingang imaginava ser seguro. As rodoviárias são espaços frequentemente escolhidos pelos Kaingang para descansar, quando estes se deslocam das aldeias para buscar locais de comercialização de seus produtos.

“Esperamos que haja justiça, que exista respeito e menos discriminação contra o nosso povo”, afirmou Idalino Kaingang, liderança da aldeia Toldo Chimbangue, que fica também em Chapecó. Idalino afirma que existe muito preconceito com os Kaingang que vendem seus artesanatos nas cidades e que, inclusive, já foram expulsos diversas vezes da rodoviária de Chapecó. “Mas eu acho que o direito de ir e vir ninguém pode tirar. O artesanato é algo que é cultural, é histórico do nosso povo. Construíram a cidade em cima da nossa terra e agora querem nos dizer onde podemos ou não podemos ficar”, afirma.

Fotos: Jacson Santana e Marina Oliveira (Cimi - Regional Sul)

Atualizado 07/01/2016, às17:01

SC

Terra Indígena Morro dos Cavalos sofre novo ataque de incendiários contrários à presença Guarani Mbya

Incitação às ações de incêndio correram nas redes sociais dias antes do último sábado, dia em que os barcos foram destruídos por fogo criminoso. Antes, a mata tinha sido incendiada.

Ódio aos indígenas: até quando?, por Elaine Tavares

Não bastou exterminar centenas de etnias, roubar as terras, escravizar, matar, destruir a cultura. Parece que nunca basta. Todos os dias, os povos originários precisam recomeçar a luta contra o...

Universitários indígenas evidenciam protagonismo durante 3º Fórum de Direitos Humanos e Saúde Mental

Quando perguntei a Ana, Laura e Thairaa qual o principal desafio na Universidade, não titubearam: “é o preconceito! ”. As jovens Ana Patté, do povo Laklãnõ/Xokleng cursa mestrado em Antropologia,...

Manifesto em defesa da luta do povo Laklãnõ/Xokleng contra os impactos da Barragem Norte

A vinculação de informações que envolve a operação da Barragem Norte negligenciam o processo histórico e as denúncias acerca dos impactos de sua construção à comunidade Laklãnõ/Xokleng

Divulgado documentário 'Enchente: o outro lado da Barragem Norte', sobre obra que marcou a vida do povo Xokleng Laklãnõ

O documentário denuncia os impactos da Barragem Norte ao povo Xokleng Laklãnõ. A construção, localizada no município de José Boiteux, Santa Catarina, foi concluída em 1992. Após 25 anos, a represa...

Total de Resultados: 90

Página atual: 1 de 18

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv