Português English

Guarani e Kaiowá retomam parte de seu território tradicional na Terra Indígena Taquara, no MS, e já sofrem ameaças

Inserido por: Administrador em 15/01/2016.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação do Cimi

Na madrugada desta sexta (15), indígenas do povo Guarani e Kaiowá retomaram mais uma parte de seu território tradicional na Terra Indígena (TI) Taquara. A área retomada, sobre a qual está sobreposta uma fazenda, é conhecida pelos indígenas como Lechucha e integra a tekoha – lugar onde se é – Taquara, localizada junto ao município de Juti, no Mato Grosso do Sul (MS). Durante o dia de hoje, indígenas relataram ter recebido ameaças de homens armados em caminhonetes.

A nova retomada aconteceu dois dias depois do assassinato do cacique Marcos Veron, morto em 13 de janeiro de 2003, completar 13 anos. Marcos foi uma liderança histórica da TI Taquara, responsável por liderar os Guarani e Kaiowá de volta à sua tekoha, em 1997, após anos aguardando a resposta do governo aos pedidos de identificação e demarcação de sua terra.

Atualmente, o território aguarda a homologação da área pelo governo federal. Os estudos de identificação da terra tradicional iniciaram em 1999, e em 2010 o Ministério da Justiça publicou a Portaria Declaratória, reconhecendo aos Guarani e Kaiowá a tradicionalidade de seu território.

Até a retomada realizada hoje, os cerca de 600 indígenas da tekoha viviam confinados em uma pequena porção de seu território tradicional, ocupando apenas 300 dos 9.700 da TI Taquara. Nesse espaço restrito, os Guarani e Kaiowá vinham sofrendo com constantes abusos, ameaças e violações dos mais diversos tipos, além de serem cotidianamente impactados pelo uso de agrotóxicos nas plantações de cana de açúcar próximas e pelo desmatamento provocado pelos fazendeiros das redondezas.

Os indígenas vêm denunciando, há anos, a prática de crimes ambientais pelos fazendeiros locais e a poluição do rio que passa no interior da terra indígena com o veneno utilizado nas plantações.


Em maio de 2015, uma representação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados visitou a tekoha Taquara, para conhecer a realidade de violações que os Guarani e Kaiowá enfrentam na região. Na ocasião, uma das lideranças da tekoha afirmou aos visitantes: “Levem daqui todo o sofrimento de um povo, tragam no retono justiça, porque aqui embaixo já deixamos de saber o que é justiça há muito tempo, mesas de dialogo, enrolação, desculpas, isso já nos levou 25 anos sem nossa demarcação”.


Um longo histórico de violência marca a trajetória recente dos Guarani e Kaiowá da TI Taquara. Em outubro de 2001, os indígenas foram expulsos da área retomada em 1997 e passaram a viver sob lonas ao lado de uma rodovia. No início de 2003, a comunidade resolveu retomar mais uma vez seu território tradicional. Após a retomada, o cacique Marcos Veron foi espancado por jagunços e veio a falecer horas depois.

Além do assassinato de Marcos Veron, pelo menos outras quatro lideranças da comunidade foram mortas nos últimos anos, e os indígenas denunciam que estupros contra as mulheres indígenas da tekoha são recorrentes, praticados pelos jagunços que são contratados pelos fazendeiros locais.

Funcionários da Fundação Nacional do Índio (Funai), notificados da retomada, partiram na tarde de hoje para averiguar a situação do acampamento. Segundo relatos de indígenas, homens armados que rondam a retomada em caminhonetes fizeram ameaças contra os Guarani e Kaiowá e possíveis ataques podem acontecer a qualquer momento.

Fotos: Cimi Regional MS

 

 

MS

Força-Tarefa Avá Guarani investiga violência contra índios em oito comunidades de MS

Em um ano de atuação, Força-Tarefa já denunciou 17 pessoas envolvidas em ataques a indígenas no estado

Parlamento Europeu apela às autoridades brasileiras pela proteção e demarcação das terras Guarani e Kaiowá

"União Europeia e os Estados-Membros deveriam consagrar esta condição como princípio fundamental, tornando-o uma disposição vinculativa em todas as políticas comerciais", diz trecho da resolução

Justiça determina o despejo de indígenas Terena de fazenda que sobrepõe 35% da TI Taunay/Ipegue

Lideranças do Conselho Terena afirmam que as famílias não irão sair da terra. "O governo federal precisa concluir a demarcação. Pode mandar a polícia, a gente não sai. Do nosso direito à terra não...

Missão do Sagrado Coração: Convivência junto aos povos indígenas do MS

Missionários testemunham despejos, violências e o milagre da vida Guarani e Kaiowá

Contra 'Fundação Nacional dos Coronéis', povo Terena completa uma semana de ocupação à sede da Funai

Os indígenas se opõem à nomeação do coronel reformado do Exército Renato Vidal Sant’Anna ao cargo de coordenador do órgão indigenista

Total de Resultados: 804

Página atual: 1 de 161

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv