Português English

III Fórum Nacional de Museus Indígenas do Brasil acontece no sertão do Piauí, aldeia do povo Tabajara

Inserido por: Administrador em 01/06/2017.
Fonte da notícia: III Fórum Nacional de Museus Indígenas do Brasil



Depois de acontecer nos estados do Ceará (Museu dos Kanindé, aldeia Sítio Fernandes, Aratuba-CE, maio de 2015) e de Pernambuco (Museu Kapinawá, aldeia Mina Grande, Buíque-PE, agosto de 2016), a terceira edição do Fórum Nacional de Museus Indígenas ocorrerá na comunidade Nazaré do povo Tabajara, no município de Lagoa de São Francisco, localizado no sertão do Piauí, o último Estado brasileiro no qual o silenciamento sobre a presença indígena foi quebrado pelas vozes dissonantes que bradaram pela resistência e continuidade de uma presença secular.

 

Embora os primeiros contatos entre os invasores e as sociedades indígenas no Piauí tenham ocorrido ainda no século XVI, a região foi uma das últimas áreas de mais antiga colonização no atual território brasileiro no qual avançou e se estabeleceu o impacto da ação colonizadora, através das fazendas de gado, principalmente a partir da segunda metade do século XVII. Em meados do século XIX, a exemplo de outras, foi uma das primeiras províncias a afirmar a inexistência de populações indígenas em seu território, dadas como extintas e assimiladas na massa da população dita civilizada.

 

Embora existam abundantes e antiquíssimos registros históricos da presença de populações indígenas em todo o atual território piauiense, como atestam, por exemplo, os diversos relatos de cronistas sobre a presença de em diversos pontos do litoral e do sertão, e também da grande quantidade de inscrições rupestres e de material arqueológico, desde o Norte e o Centro até o Sul do Estado; a existência contemporânea de indígenas ainda é alvo de polêmicas, tendo em vista uma visão genérica que predomina entre o senso comum, baseada em estereótipos, preconceitos e em uma perspectiva folclórica que pouco condiz com a dinâmica realidade destas populações. Nos últimos anos surgiram várias reivindicações por direitos específicos oriundas de organizações indígenas junto ao Ministério Público Federal. Destaca-se a reivindicação da Associação Indígena Itacoatiara de Piripiri e o ressurgimento de grupos étnicos indígenas na região da Serra Grande (Ibiapaba) e no município de Queimada Nova, região Sudeste do Estado.

 

Atualmente, existem cinco reivindicações por reconhecimento étnico, na região Norte e no Sudeste do Piauí. Destacam-se as mobilizações dos Cariris da Serra Grande (Queimada Nova), dos Codó Cabeludo (Brasileira e Pedro II) e dos Tabajaras de Piripiri organizados na Associação Itacoatiara, fundada em 2005 e, na localidade Canto da Várzea, com a organização indígena Associação Tabajara Y-pi. Além desta, a comunidade indígena Tabajara de Nazaré, no município de Lagoa de São Francisco, na região norte do Estado, nos últimos anos protagoniza um crescente processo de organização em torno do reconhecimento étnico.

 

Com o objetivo de fortalecer a luta dos povos indígenas do Piauí na construção de uma nova história que parte do ponto de vista das populações que habitavam este território antes da chegada dos invasores europeus, o III Fórum Nacional de Museus Indígenas ocorrerá no Estado, reunindo representantes indígenas e parceiros que desenvolvem processos museológicos e de registro da memória em seus territórios no Brasil, a fim de dar continuidade às trocas de experiências e saberes, articulação interinstitucional e formação em rede, propiciados pela Rede Indígena de Memória e Museologia Social desde 2014.

 

No II Fórum Nacional de Museus Indígenas, em 2016, foi criada uma comissão de coordenação e elaborado um documento com o objetivo de nortear a atuação nacional da Rede Indígena de Memória e Museologia Social. Através da realização de encontros periódicos em diversos estados brasileiros, a aproximação que gerou o conhecimento mútuo entre as diferentes iniciativas de museus indígenas, casas e espaços de memória nas cinco regiões do país, suscitou o surgimento de novas demandas, que serão discutidas neste Fórum: como avançar de ações isoladas para a realização de uma agenda comum de trabalhos que incluam ações colaborativas em memória, patrimônio e museologia comunitária? Qual a posição da Rede perante a crise de representatividade em voga na política partidária brasileira e à perda de direitos sociais duramente conquistados pela população? Um dos principais objetivos deste encontro é avançar na consolidação de núcleos locais atuantes em estados e municípios das cinco regiões do país, concomitantemente à manutenção das atividades nacionais, que tornam atualmente a Rede Indígena de Memória e Museologia social como a mais atuante no cenário da museologia comunitária no Brasil.

 

Data: 19 a 21 de outubro de 2017

Local: Comunidade indígena de Nazaré, povo Tabajara (Lagoa de São Francisco, Piauí)

Realização: Rede Indígena de Memória e Museologia Social do Brasil

Apoio: Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Etnicidade/Universidade Federal de Pernambuco (NEPE-UFPE), Rede Cearense de Museus Comunitários, Associação Nacional de Ação Indigenista/ANAÍ-BA, Governo do Estado do Piauí, Instituto de Pesquisa e Formação Indígena-IEPE.

Contatos e informações: redememoriaindigena@gmail.com ;

https://www.facebook.com/redeindigenamemoria/


Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv