Português English

Jornalista é condenado por dano moral coletivo após ofensa aos Guarani-Kaiowá

Inserido por: Administrador em 13/07/2017.
Fonte da notícia: MPF/MS


Foto: Tiago Miotto/Cimi

Em Mato Grosso do Sul, o Ministério Público Federal (MPF) conseguiu a condenação do jornalista Walter Navarro por dano moral coletivo em R$ 50 mil. A Justiça Federal considerou que o comunicador extrapolou a liberdade de expressão ao veicular conteúdo ofensivo e pejorativo contra os índios Guarani-Kaiowá em artigo publicado no webjornal O Tempo, de Minas Gerais, em 2012.

Para o Judiciário, o texto, intitulado “Guarani-Kaiowá é o c... Meu nome agora é Enéas p...”, foi escrito em tom “evidentemente discriminatório”, o que gerou prejuízo à imagem e à moral dos indígenas. Na publicação, Navarro, ao contestar o movimento Somos Todos Guarani-Kaiowá, se reportou aos índios como “insuportáveis”, “incestuosos” e “flatulentos”. O autor defendeu que “índio bom é índio morto” e classificou as mulheres indígenas como “libidinosas”.

Na época de sua veiculação, o conteúdo gerou polêmica entre os leitores, resultando na demissão do jornalista e na retratação pública do jornal. O MPF chegou a pedir explicações a Navarro, que alegou “caráter humorístico” do texto. Contudo, na visão da Justiça, o artigo ultrapassou a esfera da mera crítica e/ou humor.

“A liberdade de expressão não pode ser aplicada para amparar expressões capazes de denegrir e incitar o ódio contra minorias e grupos populacionais que, em pleno 2017, lutam para ver garantidos seus direitos mínimos, como é o caso dos índios”, afirmou o Judiciário.

Para o MPF, a liberdade de expressão é um direito constitucional fundamental, mas é “injustificável permitir que, a pretexto de exercício da liberdade de expressão, sejam veiculadas publicações que se traduzem em incentivo à discriminação”.

Walter Navarro deve pagar indenização de R$ 50 mil pelo dano moral coletivo causado. O valor, inferior ao pedido do MPF, de R$ 100 mil, foi reduzido para se enquadrar à capacidade econômica do réu. O montante será revertido em programas de saúde e de educação na Reserva Indígena de Dourados/MS.


MS

Guarani e Kaiowá exigem demarcação de suas terras e revogação da Portaria 80 do Ministério da Justiça

Em documento final da Aty Guasu, indígenas também repudiam Fórum de Caciques criado por ruralistas e defendem unidade entre povos na luta por direitos

Conselho Aty Guasu Guarani Kaiowá denuncia Fórum criado com o apoio de ruralistas

O FOCAMS é uma organização criada com o apoio de deputados alinhados aos interesses de ruralistas

Com "probabilidade de mortes", Justiça Federal suspende despejos contra comunidades Guarani Kaiowá

A decisão é provisória e aguarda sentenças aos processos. As reintegrações de posse foram determinadas no último mês de dezembro

Fome entre os Guarani e Kaiowá: "Criança chora, não aguenta mais. Sofrimento mesmo. Quase comendo terra"

Até dezembro de 2014, cerca de 14 mil cestas de alimentos eram levadas às comunidades. Desde 2015, o número despencou para no máximo 2 mil

Com despejos iminentes, indígenas Guarani Kaiowá afirmam que resistirão nas terras tradicionais

Yvu Vera, cujo despejo pode ocorrer a qualquer momento, faz parte da Reserva de Dourados e foi invadida por não-índios. Em fevereiro do ano passado, os Guarani e Kaiowá retomaram a área de 20 hectares...

Total de Resultados: 833

Página atual: 5 de 167

Início Anterior 12345678910 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv