Português English

Kuñangue Aty Guasu: encontro de rezas, forças e sonhos para o presente e futuro

Inserido por: Administrador em 25/09/2017.
Fonte da notícia: Lídia Farias de Oliveira – Regional Cimi MS


Texto e fotos por Lídia Farias de Oliveira, do Regional Cimi MS

A Kunhaguê Aty Guasu (Assembleia das mulheres) Guarani e Kaiowá teve início na noite do dia 18 de setembro no tekoha Kurusu Ambá, em Coronel Sapucaia (MS), com uma forte reza tradicional das mulheres Guarani e Kaiowá. Mais de 200 tons de vozes femininos eram ouvidos naquele momento, além do som dos mbaracas e takapu’s que entoavam os rituais religiosos na abertura deste importante espaço de reencontro, rezas, conversas, sonhos e expectativas.

Na vida do povo Guarani e Kaiowá tudo tem uma explicação espiritual. Era possível perceber esta relação em todos os momentos da Aty Kunã, desde a acolhida dos participantes até as horas do pouso. Entre os barracos construídos pela comunidade para as pessoas de fora e as barracas levadas para o acampamento, era nítida a alegria expressada no Guaxiré (dança tradicional) que acontecia todas as noites. Era maravilhoso acordar no meio da noite com os cantos e perceber que mulheres, homens e jovens seguiam de mãos dadas dançando nas grandes e animadas rodas de suas danças tradicionais.

Era um encontro de muitas energias positivas, a Kunhaguê Aty Guasu contou com representantes de quase todos os Tekoha – lugar onde se é – Guarani e Kaiowá do sul de Mato Grosso do Sul, representantes do povo Terena do norte do estado, assim como representantes do Conselho Continental da Nação Guarani e do povo Mbya Guarani das aldeias Terra Roxa, no Paraná, e Tenondé Porã, em São Paulo.

A Aty Kunã atraiu várias organizações ligadas aos direitos humanos, movimentos sociais e universidades, representantes da ONU mulheres-Brasil, Ministério Público Federal (MPF), FIAN Brasil/internacional, Cese, movimento da Liga das Camponesas Pobres, movimento de mulheres, Comitê de apoio e solidariedade aos povos indígenas, CTV, UEMS, FAIND, entre outras, prestigiaram e contribuíram com este lindo encontro.

Frente ao cenário politico que o Brasil vem enfrentando, onde o objetivo principal é a retirada de direitos humanos, temas como Terra, saúde, educação, trabalho, segurança, benefícios sociais, saneamento básico, autonomia e fortalecimento das lutas dos povos indígenas fizeram parte de todas as discursões da grande assembleia.


Em destaque estava a questão da luta pelo território. Infelizmente, nos últimos anos as iniciativas anti-indígenas têm se intensificado no Brasil. Michel Temer, para se manter no cargo de presidente da República, tem sido “todo ouvidos” aos interesses do agronegócio nacional e internacional. Articulado com os poderes Legislativo e Judiciário, o governo federal vem tentando criar propostas totalmente favoráveis aos interesses do capital, como é o caso da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215, que transfere a responsabilidade de demarcar terras indígenas do poder Executivo (Funai) para o poder Legislativo (Congresso Nacional), onde pelo menos 300 deputados são ou estão aliados ao ruralismo.

Outra pauta abordada sobre a questão da terra foi a tese do Marco Temporal, uma iniciativa que vem se firmando cada dia mais no poder Judiciário brasileiro, onde as disputas são intensas em torno da interpretação do texto constitucional. Ruralistas e alguns ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) defendem que os povos indígenas só teriam direito aos seus territórios se estivessem sobre eles em 5 de outubro de 1988.

Os Guarani e Kaiowá afirmaram durante a Aty Kunã que o marco temporal, antes mesmo de virar lei, já vem causando muito sofrimento para as comunidades indígenas neste estado. A Terra Indígena Guyraroka, desde 2014, vem enfrentando este mal: a portaria que declarava os limites da aldeia foi anulada pela 2ª turma do STF e, em 2016, o processo transitou em julgado. A posição inconstitucional de Gilmar Mendes preponderou, com a decisão de que, como a terra não estava na posse dos indígenas em 1988, eles não terim direito a ela.

A terra sem mal dos Guarani e Kaiowá parece se distanciar cada vez mais. Outras cinco áreas indígenas do estado de Mato Grosso do Sul sofrem com o efeito desta tese.


Mesmo com todas estas atrocidades contra a vida destes povos, os Guarani e Kaiowá seguem resistindo – prova disso foi a organização e realização deste Aty Kunã. As mulheres Guarani e Kaiowá, devido à falta de recursos financeiros da Funai, conquistaram junto à sociedade e organizações parceiras cada grão de arroz servido durante a Aty. Isso demostra que não é uma tese ou PEC que vai destruir a esperança e a Mbarete (força) destes povos.

A sabedoria das mulheres indígenas ficou explícita na condução da assembleia. Elas conseguiram transformar o encontro em um espaço de trocas de experiência entre os anciões, crianças e jovens, rezadoras e rezadores, que puderam partilhar cantos, rezas, medicinas tradicionais, Risos, Sonhos, Vida.

“A Aty Kunã é o espaço para os rezadores e pra Nhande Si, isso é ótimo, o povo Guarani e Kaiowá precisa da reza. Tem que continuar a Aty Kunã, as crianças, os rezadores junto, isso faz vim a chuva boa, a planta boa, a mandioca, o milho branco e a gente faz o batizado da criança”, afirma Ivone Argemiro Jorge, da Aldeia Panambizinho, em Dourados (MS).

Mulheres, homens, jovens, Nhande Si (nossa mãe) e Nhande Ru (nosso Pai), afirmam que vão seguir avançando ao encontro de seus tekoha tradicionais, de saúde e educação de qualidade, de respeito e reconhecimento de valores e de seus modelos de vida alternativos para o planeta. “Se o governo não concluir a demarcação de nossas terras, vamos continuar retomando nossos tekoha, nós mesmo vamos demarcar as nossas terras”, ressalta Leila Rocha, liderança do tekoha Yvy Katu, localizado em Iguatemi (MS).

A Kunhãgue Aty Guasu encerrou no dia 22 de setembro com a seguinte certeza: o caminho da terra sem mal é longo, mas será concluído pelos guerreiros e guerreiras do povo Guarani e Kaiowá. Enquanto houver o som do Mbaraca e do Takuapu, vai ter luta.

Clique aqui para ler o documento final da Aty Kunã

MS

STF determina volta à prisão de fazendeiros envolvidos em ataque a indígenas no Mato Grosso do Sul

A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a prisão preventiva de cinco fazendeiros acusados de envolvimento em um ataque a indígenas no Mato Grosso do Sul, em junho do ano passado.

MPF requisita investigação sobre ameaça a lideranças indígenas da aldeia Sucury'i, em Maracaju (MS)

Ameaças teriam se intensificado após manifestações dos índios e bloqueio de rodovia

Indígenas Kadiwéu retomam fazenda incidente em território concedido ao povo no Segundo Reinado, em 1864

Há uma semana 120 indígenas Kadiwéu retomaram parte do território destinado ao povo em 1900 e homologado em 1984. O povo reivindica uma fazenda localizada em Porto Murtinho, pantanal do Mato Grosso do...

Jornalista é condenado por dano moral coletivo após ofensa aos Guarani-Kaiowá

A Justiça Federal considerou que o comunicador extrapolou a liberdade de expressão ao veicular conteúdo ofensivo e pejorativo contra os índios Guarani-Kaiowá em artigo publicado no webjornal O Tempo,...

Delegação Terena em Brasília: “Queremos repostas concretas”

Como encaminhamento da 10ª Assembleia do Povo Terena, que aconteceu de 31 de maio a 03 de junho na Aldeia Buriti, em Dois Irmãos do Buriti (MS), decidiu-se que uma delegação de lideranças viria até...

Total de Resultados: 836

Página atual: 1 de 168

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv