Português English

Governo é “incapaz de sentir qualquer remorso com a dor de milhões”, afirma Rede Brasileira Justiça e Paz

Inserido por: Administrador em 14/11/2017.
Fonte da notícia: Assessorias de Comunicação Cimi

Por Guilherme Cavalli, da assessoria de comunicação Cimi

Em mensagem pública divulgada após encontro, Rede Brasileira Justiça e Paz trata “anomalia do atual governo” como projeto que “legitima a adoção de políticas que, num quadro de normalidade, jamais seriam aceitas”. O texto contesta discurso governamental que afirma “virtuoso processo de retomada do emprego, da renda e da atividade econômica”. Esse é um discurso que “choca-se com a sensação real de instabilidade institucional, pobreza crescente e enorme desemprego”, adverte Rede. “É preciso lembrar que as medidas de “contenção de despesas” destinadas à área social acoplam-se à permanente drenagem desses recursos desviados para o infindável pagamento de inaceitáveis juros da dívida pública”.

A análise conjuntural assinada pela Comissões Justiça e Paz da Conferência dos Bispos do Brasil (CNBB) e a pela Comissão Justiça, Paz e Integridade da Criação da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) aponta para a “desconstrução dos instrumentos de governança e inclusão social”. As instituições criticam a “lógica cruel, incapaz de sentir qualquer remorso com a dor de milhões” por adorar ao mercado e desprezar os pobres, as mulheres, os negros, os jovens, os desempregados e os indígenas.
“Há poucos meses foi decretado o fim da CLT, medida que acaba de entrar em vigor, ousadia que nem o arbítrio de 1964 foi capaz de propor". O atual Presidente da República comporta-se sem cerimônia e desprovido da “liturgia do cargo” para enterrar as denúncias que pesam contra ele e seus mais próximos auxiliares”, denuncia a nota ao mencionar as práticas do governo – nomeações, distribuições de privilégios, mau manejo da máquina pública, compra de parlamentares – para a permanecer no poder.

A nota lamenta ainda a “hipertrofia do judiciário”, que, segundo a Rede, torna questionável se poder  “não estaria em algum grau partidarizado e comprometido com o modelo econômico neoliberal que se quer impor ao Brasil”.

“No campo da sociedade civil está presente forte e difundida oposição à implementação desse modelo”, sustenta o texto. Contudo, a análise afirma que as forças necessárias às mobilizações se encontram fragilizadas pelo desemprego e pela ausência “de uma proposta de luta clara, exequível e unificada”.

“A força da militância dos movimentos populares, irá demonstrar, mais cedo do que se imagina, como em outros momentos da história, que as tiranias sempre sucumbem à irresistível vontade popular”, encerra a nota resultante do encontro que ocorreu em Brasília, de 10 a 12 de novembro.

Leia aqui o texto na íntegra

No Brasil

CDHM denuncia no Parlamento Europeu violações de direitos humanos de indígenas no Brasil

Parlamentares brasileiros denunciamm a eurodeputados as violações de Direitos Humanos contra os povos indígenas no Brasil.

Para MPF, áreas pendentes de demarcação indígena não podem ser alvo de reintegração de posse

Manifestação enviada ao STJ defende cumprimento de regras do Estatuto do Índio

Temer amplia ataques aos Povos Indígenas: o Parecer Anti-Demarcação

O governo Temer assumiu papel de protagonista nas agressões aos direitos e à vida dos povos indígenas no Brasil. Não apenas pela omissão, mas sobretudo com iniciativas antiindígenas.

Indígenas denunciam a comissionário da OEA crescente violência contra suas comunidades e exigem do Governo andamento nas demarcações

Indígenas reuniram-se na tarde de ontem, domingo (12), com o comissário da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA, James Cavallaro. A delegação apresentou a realidade de violação...

Encontro Nacional de Direitos Humanos debaterá lutas e políticas sociais no país

Nos dias 8 e 9 de novembro acontece em Brasília o Encontro Nacional de Direitos Humanos em Brasília (DF).

Total de Resultados: 658

Página atual: 1 de 132

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv