Português English

Semana de lutas: AGU ocupada contra parecer antidemarcação de Temer

Inserido por: Administrador em 07/12/2017.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação

Por Tiago Miotto/Assessoria de comunicação

Nos últimos meses, os povos indígenas do Brasil têm travado uma árdua luta para que o governo Temer revogue o parecer antidemarcação da Advocacia-Geral da União (AGU), publicado em julho. Ontem (6), cerca de 90 indígenas ocuparam o hall da AGU, exigindo a revogação do Parecer 001/2017, que obriga toda a administração pública a aplicar as condicionantes estabelecidas pelo STF para o caso específico da terra indígena Raposa Serra do Sol – o que contraria decisões do próprio STF e restringe o direito ao reconhecimento de suas terras tradicionais.

Uma das principais consequências do parecer, publicado pelo governo Temer após acordo com a bancada ruralista, é impor a toda a administração pública a tese inconstitucional do marco temporal, que restringe os direitos territoriais dos povos indígenas definindo que só podem ser reconhecidas as terras que estivessem sob sua posse em 5 de outubro de 1988.

“Esse parecer fere a vida e a humanidade dos povos indígenas. Antes de 1988, nós já estávamos aqui no Brasil. Esse parecer é para defender os interesses dos que são contra os indígenas”, avalia Luís Salvador Kaingang.

Leia: “Temer amplia ataques aos Povos Indígenas: o Parecer Antidemarcação”

Além dos Kaingang, também participaram da ação indígenas do povo Guarani Mbya, igualmente da região Sul, e dos povos Terena, Kadiwéu e Kinikinau, do Mato Grosso do Sul. Realizando uma semana de lutas em Brasília, os indígenas permaneceram na AGU até que fossem recebidos pela Advogada-Geral da União, Grace Mendonça, responsável pela elaboração do parecer antidemarcação.

No meio da tarde, depois de horas de ocupação, a Advogada-Geral da União e responsável pela elaboração do parecer, Grace Mendonça, recebeu uma representação dos indígenas. Eles cobraram a revogação do parecer e entregaram uma petição na qual apresentam elementos jurídicos que demonstram sua inconstitucionalidade.

Acesse a petição


“Já não se demarca terra no Brasil, e esse parecer vem inviabilizar isso de vez. Nossas áreas tradicionais são terras que vêm antes da Constituição brasileira, antes do próprio Estado brasileiro, e esse parecer vem de encontro aos direitos dos povos indígenas. Por isso, precisamos que ele seja revogado”, afirma Odirlei Kaingang.

Na reunião, feita de forma apressada porque a ministra teria outra agenda em seguida, ela se comprometeu a analisar o documento entregue pelas lideranças, mas sustentou a posição do governo.

“Cada liderança trouxe a realidade de sua região e falou como esse parecer tem impactado diretamente as demarcações de terras indígenas. Ela se comprometeu a dar uma devolutiva, disse que está juntando todas as manifestações que está recebendo e em breve vai nos chamar para uma reunião aberta”, relata Luiz Eloy Terena, assessor jurídico da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib).

“A gente fica muito surpreso, porque a missão constitucional da AGU é defender o patrimônio da União, e as terras indígenas são também bens da União. E a partir desse parecer, estamos vendo que a AGU está abrindo mão de um bem da União e de cumprir com sua função constitucional”.


Mudanças no decreto 1775

As lideranças também questionaram a Advogada-Geral a respeito dos boatos de que o governo Temer prepara uma alteração no Decreto 1775/1996, que regulamenta os procedimentos para demarcação de terras indígenas no Brasil, para adequar o procedimento administrativo de demarcação às exigências do Parecer 001/17 da AGU/Temer. Grace Mendonça respondeu que desconhece tal medida.

No final do ano passado, também em dezembro, a minuta de um decreto que estava sendo elaborado com essa mesma finalidade acabou sendo vazada na imprensa, frustrando os planos do governo Temer.

No Brasil

Apib solicita exoneração de diretores da Funai por manobras administrativas envolvendo milhões em recursos

A Apib solicita ainda a devolução do recurso para as respectivas diretorias de onde ele foi retirado

Semana de lutas em Brasília: indígenas cobram melhorias na saúde

Indígenas dos povos Kaingang e Guarani Mbya, da região sul, Terena, Kadiwéu e Kinikinau, do MS, e Chiquitano, do MT, cobraram melhorias na saúde indígena, em Brasília.

CDHM denuncia no Parlamento Europeu violações de direitos humanos de indígenas no Brasil

Parlamentares brasileiros denunciamm a eurodeputados as violações de Direitos Humanos contra os povos indígenas no Brasil.

Para MPF, áreas pendentes de demarcação indígena não podem ser alvo de reintegração de posse

Manifestação enviada ao STJ defende cumprimento de regras do Estatuto do Índio

Temer amplia ataques aos Povos Indígenas: o Parecer Anti-Demarcação

O governo Temer assumiu papel de protagonista nas agressões aos direitos e à vida dos povos indígenas no Brasil. Não apenas pela omissão, mas sobretudo com iniciativas antiindígenas.

Total de Resultados: 661

Página atual: 1 de 133

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv