Português English

"Perdemos tudo, mas não perdemos a nossa esperança de retornar à nossa terra"

Inserido por: Administrador em 27/08/2013.
Fonte da notícia: Survival International

Um incêndio se alastrou por um acampamento Guarani, localizado à beira da estrada, forçando os índios a fugir enquanto suas barracas, comida e pertences foram destruídas nas chamas.

Relata-se que o fogo iniciou no canavial e usina de São Fernando que ocupam a terra ancestral da comunidade Apy Ka’y. De acordo com a Polícia Militar Ambiental, destruiu uma área de cerca de 1.000 hectares, incluindo o acampamento indígena. A causa do incêndio ainda não foi confirmada.

A destruição ocorreu no estado brasileiro de Mato Grosso do Sul na última quinta-feira, mas os detalhes completos da ocorrência surgiram hoje.

Um porta-voz Guarani que visitou o local disse à Survival International, ‘O fogo queimou durante um dia inteiro. Havia fumaça e cinzas em todos os lugares. Nossos parentes foram forçados a correr de suas casas. As crianças estavam chorando… Nós estamos chocados.’

Damiana Cavanha, líder Guarani de Apy Ka’y, disse, ‘Nossas barracas, roupas, alimentos, panelas e colchões foram queimados! Perdemos tudo, mas não perdemos a nossa esperança de retornar à nossa terra ancestral.’

Os Guarani da Apy Ka’y têm pouco material para reconstruir seus abrigos. Suas crianças já sofrem de desnutrição, e estes últimos acontecimentos aumentaram sua vulnerabilidade.

Damiana informou que uma vez que o fogo tinha sido apagado, os seguranças armados dos fazendeiros da São Fernando ameaçaram matar os Guarani. ‘Os seguranças da usina me disseram que eles vão matar todos nós. Mas eu vou continuar lutando por nossa tekoha (terra ancestral)’, disse Damiana.

Os indígenas foram forçados a deixar sua terra ancestral quando esta foi ocupada por fazendeiros há quase quinze anos. Damiana e outros membros da comunidade têm vivido de forma intermitente na beira da estrada principal nos últimos dez anos, enquanto suas terras estão sendo usadas para a expansão da indústria de biocombustível no Brasil.

Eles enfrentam o risco constante de acidentes fatais na estrada, já que carros e caminhões passam em alta velocidade. O marido de Damiana e três de seus filhos foram atropelados e morreram na estrada ao lado da qual a comunidade está acampada.

Cada vez que eles tentaram reocupar suas terras, os fazendeiros os expulsaram de novo. A comunidade já foi atacada várias vezes, incluindo um incidente em 2009 quando homens armados dispararam contra o acampamento e deixaram os abrigos dos Guarani em chamas.

Os líderes Guarani são alvos frequentes e vários foram assassinados após pressionarem para recuperar o seu território ancestral.

A Survival está instando o governo brasileiro para cumprir o seu dever constitucional de demarcar todas as terras Guarani e devolvê-las para o uso exclusivo dos indígenas.

O diretor da Survival Stephen Corry disse hoje, ‘Os povos indígenas do Brasil são constantemente sacrificados em nome da ganância, suas vidas perdidas na busca do crescimento econômico a qualquer custo humano. Os Guarani têm o direito de voltar às suas terras, mas em vez disso, são forçados a sofrer uma vida de imundície na beira da estrada.’





MS

Rejeitado HC que pedia soltura de fazendeiros envolvidos em ataque a indígenas em MS

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, negou seguimento ao Habeas Corpus impetrado pela defesa de dois dos fazendeiros envolvidos em ataque a grupo indígena em Mato Grosso do Sul.

TRF3 rejeita tentativa de intimidação da atuação do MPF

O TRF3 negou, em 30 de outubro, recurso ajuizado pelo Sindicato Rural de Ponta Porã (MS), em ação de indenização contra o procurador da República Marco Antonio Delfino de Almeida, membro do MPF/MS

A relação dos Kaiowá com a morte e a terra em meio à violência extrema do MS

Como os Kaiowá e Guarani se relacionam com a morte e a com a terra no contexto de extrema violência do Mato Grosso do Sul? Essa é a pergunta que Bruno Martins Morais tenta respondem no livro Do corpo...

Por quatro anos consecutivos, povo Kinikinau exige demarcação de território

Em documento divulgado após 4ª Assembleia Ipuxowoku Hou Koinukonoe, lideranças do povo Kinikinau exigem criação de Grupo de Trabalho para demarcação de seu território.

População indígena do Mato Grosso do Sul é a terceira mais contaminada por agrotóxicos no país

Com apenas 18 dias de nascido, o bebê Norisleo Paim Mendes e sua mãe, Maria Joana Paim, do povo Guarani Kaiowá, foram contaminados por agrotóxico pulverizado na aldeia Tey’ijusu pelo tratorista de...

Total de Resultados: 842

Página atual: 1 de 169

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv